Maria Lynch apresenta a mostra interativa Máquina Devir no Oi Futuro


 

Exposição ocupa nove ambientes do centro cultural em Ipanema com experiências sensoriais

 

Rio de Janeiro, 09 de janeiro de 2017 - Para celebrar seus 15 anos de trajetória, Maria Lynch explora outras possibilidades além da pintura. A artista convida o público para uma imersão filosófica do corpo na exposição "Máquina Devir", com abertura no dia 14 de janeiro no Oi Futuro em Ipanema. A mostra, com idealização da R&L Produtores Associados, ocupará 9 ambientes do prédio, além da vitrine no térreo, onde Maria exibirá uma instalação de bolas com trilha sonora de Rodrigo Amarante (recém-apresentada em Los Angeles, na galeria Wilding Cran).

 

A partir do conceito de imanência, a artista oferece um percurso imersivo em situações e vivências que visam desconstruir modelos de representação. Durante o trajeto, atores fantasiados, dançarinos, múltiplos cheiros e outros estímulos sensoriais conduzirão a atmosfera perceptiva do espectador. As salas serão intituladas com nomes como "Roupagem", "Mito", "Memória/Desejo", "O que você mais gosta de fazer?" e "Coragem".

 

Num dos ambientes, duas pessoas, uma vestida de palhaço e outra de gorila, citarão textos e passagens de filósofos como Deleuze, Espinosa e Nietzsche. Em outro espaço, os participantes, vendados, receberão uma série de materiais para experimentar. "Nessa sala a ideia é explorar os sentidos do participante. Não haverá câmeras", explica a artista.

 

Maria Lynch acredita que, a partir dos jogos de sensações e dos exercícios propostos, abre-se um espaço para a instabilidade.  "Procuro evidenciar que somos passíveis de criar uma nova maneira de pensar e sentir, resistindo aos valores consolidados e estabelecidos. Como diria Espinosa, 'o homem é livre somente quando entra na posse da sua potência de agir'", cita.

 

A mostra tem patrocínio da Oi, Governo do Rio de Janeiro, da Secretaria do Estado de Cultura e da Lei Estadual de Incentivo à Cultura do Rio de Janeiro, com apoio cultural do Oi Futuro.

 

Sobre Maria Lynch

 

Maria Lynch nasceu em 1981, no Rio de Janeiro. Atualmente mora entre Nova York e Los Angeles. Estudou na Escola de Artes Visuais do Parque Lage e fez pós-graduação e mestrado na Chelsea College of Art and Design, em Londres. Representada pela galeria carioca Anita Schwartz, já realizou dezenas de individuais e coletivas em locais como Paço Imperial, Museu de Arte Contemporânea de Niterói e Barbican (Londres).

 

Entre suas principais exposições estão 'The Jerwood Drawing Prize', com itinerância por Londres e outras cidades da Inglaterra, 2008, 'Nova Arte Nova' no CCBB, 2008. Em 2009 Recebeu o Prêmio Funarte de Artes Plásticas Marcantonio Vilaça. Em 2011, participou da 6º Bienal de Curitiba VentoSul. Em 2012, apresentou a instalação 'Ocupação Macia' no Paço Imperial e a performance 'Incorporáveis' no MAM-Rio. Em 2013, Maria ganhou um concurso de arte pública na Fundação Getúlio Vargas (RJ) e participou da mostra 'Bordalianos do Brasil' na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

 

Depois de fazer o Residencie Unlimited, NY, EUA em 2014, foi contemplada com o Prêmio e concessão em Nova York pela Embaixada Brasileira para uma Exposição Individual com New Museum e Storefront For Art And Architecture, para o festival Ideas City NY ( EUA). Em 2016 fez exposição individual na galeria Wilding Cran em Los Angeles, onde é representada.

 

http://www.marialynch.com.br/

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

“QUILOS MORTAIS” CHEGA À QUINTA TEMPORADA COM NOVAS HISTÓRIAS DE LUTA CONTRA OBESIDADE MÓRBIDA

INVESTIGADOR PARTICULAR FAMOSO POR SUAS ARTIMANHAS, BRIAN WOLFE RECONSTITUI CASOS DE SEU ARQUIVO EM SÉRIE INÉDITA

BIS estreia terceira temporada de "Versões" em 19 de julho