Documentário inédito, Na Beira da Cor apresenta a trajetória de artistas participantes da Bienal Naïf do Brasil 2016


 

O filme mostra, no dia 16/03, às 21h, no SescTV, a ingênua e sincera expressão destes artistas 


Toninho Guimarães. Foto: Antonio Trivelin.

O documentário Na Beira da Cor, dirigido por Franciele Cocco, apresenta a trajetória de diferentes artistas que produzem obras naïfs, arte considerada simples e ingênua. A produção que será exibida no dia 16/3, quinta, às 21h, noSescTV (assista também em sesctv.org.br/aovivo), reúne depoimentos e experiências de criação dos participantes da 13ª edição da Bienal Naïf do Brasil em 2016, realizada no período de 20/8 a 27/11 de 2016, no Sesc Piracicaba, interior de São Paulo.

 

Gravado no Ceará, Mato Grosso, Minas Gerais e São Paulo, o filme retrata as diferentes formas, estilos, materiais, cotidianos e inspirações de diferentes artistas que não possuem conhecimentos e técnicas acadêmicas. "Eu maquinei na minha ideia e peguei os pincéis, a tela e comecei a pintar. Fiz uns riscos meio tortos, consertei e aí quando vi, já estava pronto", revela Toninho Guimarães, artista plástico de Cuiabá, Mato Grosso, que destaca a espontaneidade como uma de suas principais características. 

 

Para Liléia Rodrigues, de Belo Horizonte, Minas Gerais, que começou a pintar durante o tratamento de transtorno bipolar, o contato com a arte é transformador. "Eu não vivia, não aceitava psicólogos e tratamentos, eu queria só dormir, até o dia que deixei ser levada pela arte. Deixei, porque me faz bem", afirma a pintora, que expressa, em meio às crises, que encontrou a felicidade.

 

Os processos de criação e inspiração são mostrados no documentário a partir da perspectiva do artista sobre sua obra. "O artista é de certa forma um filósofo. Eu não penso em retratar apenas a pessoa, eu busco o que ela significa para mim", explica Arivânio Alves, de Quixelô, Ceará. Já para o artista mineiro Randolpho Lamonier, a arte tem uma função política. "O que me aproxima do naïf, da arte bruta, dita louca, inconsequente, é a simplicidade na maneira de fazer e tem a ver com o punk, com o faça você mesmo", define.

 

A 13ª edição da Bienal Naïf do Brasil contou com 126 obras vindas de 25 estados brasileiros. A comissão de curadoria, composta por Clarissa Diniz, Claudinei da Silva e Sandra Leibovici, ressalta a relevância da arte simples para cultura popular e revela um Brasil múltiplo e diverso.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

“QUILOS MORTAIS” CHEGA À QUINTA TEMPORADA COM NOVAS HISTÓRIAS DE LUTA CONTRA OBESIDADE MÓRBIDA

INVESTIGADOR PARTICULAR FAMOSO POR SUAS ARTIMANHAS, BRIAN WOLFE RECONSTITUI CASOS DE SEU ARQUIVO EM SÉRIE INÉDITA

BIS estreia terceira temporada de "Versões" em 19 de julho