SescTV exibe “Ciclo José Agrippino de Paula”, com produções comentadas por admiradores e amigos do mentor da Tropicália


 


Confira teaser em: https://www.youtube.com/watch?v=OB0DGrIre98

 

Durante o mês de maio, nos dias 12, sexta, às 23h e dia 13, sábado, às 22h, o SescTV exibe o Ciclo José Agrippino de Paula, com as produções dirigidas pelo escritor, cineasta e mentor da Tropicália: Hitler Terceiro Mundo; Céu sobre Água;Candomblé no Togo; Maria Esther e as danças na África; além de Movimento de abertura da "Sinfonia Panamérica", filme dirigido pela videoartista Lucila Meirelles, que também é curadora da série. O ciclo é permeado por comentários de Hermano Penna, José Roberto Aguilar, Jotabê Medeiros, entre outros amigos e admiradores de Agrippino, e oferece material pouco visto pelo grande público, mas que ajudou a escrever a história do cinema de invenção das décadas de 1960 e 1970.

 

Embora demonstrasse viver em outra frequência e se encontrasse rendido por uma época de repressão artística, Agrippino foi além e se destacou com suas obras. O longa Hitler Terceiro Mundo (1968), que vai ao ar no dia 12 de maio, sexta, às 23h, foi gravado durante a ditadura e exibido anos depois em espaços alternativos. Sua narrativa é reflexo do sarcasmo de José Agrippino e resulta de uma produção de poucos recursos financeiros. O filme foi gravado em meio à multidão na capital paulistana, e conta com as atuações de Jô Soares, Fernando Benini e Ruth Escobar. A obra faz uma dura crítica ao regime militar, apresenta os resquícios da ascensão e queda de Hitler e sua influência na ditadura no Brasil.

 

No dia 13 de maio, sábado, às 22h são exibidos Céu sobre Água, Movimento de abertura da Sinfonia Panamérica, Maria Esther e as danças na África e Candomblé no Togo. Gravado entre 1972 e 1978, Céu sobre Água é um dos trabalhos mais conceituais de Agrippino. O filme reúne cenas de sua esposa grávida e nua, nadando em uma paisagem na Bahia. Ele apresenta através de enquadramentos atemporais, a gravidez de Maria Esther Stockler e seu filho, logo após o nascimento. Já Candomblé no Togo (1972), registra um culto na África em um povoado com costumes e origens tribais. A gravação com a câmera super 8 permite que os registros de imagem se tornem mais autênticos, como se a câmera fizesse parte do ritual, sem distinção entre os personagens.

 

Movimento de abertura da Sinfonia Panamérica e Maria Esther e as danças na África (1988) reúnem distintas imagens de vários fragmentos e nuances da saga e obra de Agrippino. O primeiro leva o telespectador a uma mistura de sentidos, tal qual a psicodelia dos anos 1960. No segundo, o corpo é traduzido pelos movimentos da dança numa clara interpretação de rituais mais primitivos, captados pelo olhar do precursor da Tropicália.

--
Line-UP - Divulgação de Programação e Distribuição de Canais de TV.
http://www.lineup.net.br
http://blog.lineup.net.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

“QUILOS MORTAIS” CHEGA À QUINTA TEMPORADA COM NOVAS HISTÓRIAS DE LUTA CONTRA OBESIDADE MÓRBIDA

INVESTIGADOR PARTICULAR FAMOSO POR SUAS ARTIMANHAS, BRIAN WOLFE RECONSTITUI CASOS DE SEU ARQUIVO EM SÉRIE INÉDITA

BIS estreia terceira temporada de "Versões" em 19 de julho