Código Ternário toca repertório de choro e jazz misturados a outros ritmos em programas inéditos no SescTV


 

Documentário e show com o trio será exibido no dia 2/7, domingo, a partir das 21h



Foto: Piu Dip

 

Formado por Gustavo Bali, no pandeiro, Carrapicho Rangel, no bandolim de 10 cordas, e César Roversi, no saxofone, o Código Ternário fala sobre a formação do trio, visita o Museu da Imigração, na capital paulista, e conversa com o pianista André Marques em documentário da série Passagem de Som, que estreia no SescTV, no dia 2/7, domingo, às 21h (assista também em sesctv.org.br/aovivo). Na sequência, o show do grupo para a sérieInstrumental Sesc Brasil apresenta repertório de choro, jazz, baião, maracatu, funk e influências da world music de Hermeto Pascoal. Inéditos, os programas têm direção geral de Max Alvim.

 

Passagem de Som mostra que Bali nasceu em Curitiba – PR, e vive no bairro da Mooca, na cidade de São Paulo, na casa onde seus bisavós moraram quando chegaram da Iugoslávia, na década de 1920. Bem perto dali, o trio visita o Museu da Imigração em busca de informações sobre a chegada da família do pandeirista ao Brasil.

 

Em sua residência, que também funciona como sede para os ensaios do Código Ternário, Bali lembra como iniciou o grupo. "Estava com vontade de tocar um bandolim de 10 cordas. Procurei no YouTube: bandolim de 10 cordas, São Paulo. Aí só deu ele", conta, se referindo a Carrapicho Rangel, que nasceu na cidade paulista de Araraquara. "Eu comecei, muito novo, tocando instrumento de percussão, com sete anos de idade", diz o bandolinista.

 

No mesmo estado, na cidade de Leme, o terceiro integrante do trio, César Roversi, nasceu em uma família de imigrantes italianos e espanhóis. Antes de se mudar para a capital, onde fez parte da Banda Sinfônica do Estado de São Paulo, o saxofonista residiu em Tatuí, município que abriga o Conservatório Dramático e Musical Dr. Carlos de Campos, conhecido como Conservatório de Tatuí, fundado em 1954. Nessa instituição, o trio teve aulas com o pianista do grupo de Hermeto Pascoal, André Marques, que fala sobre o objetivo da world music tocada pelo multi-instrumentista alagoano. "Era liberação de rótulos, era fazer música por música. A gente não pensava se era uma canção erudita, folclórica ou popular", esclarece Marques.

 

O gênero musical de Pascoal está presente na sonoridade do Código Ternário, porém, de acordo com Bali, o trio não faz exatamente a world music do artista. "Tem bastante influência dele, até mesmo porque o César também teve uma banda influenciada por Hermeto, inclusive já tocou com ele", explica Rangel.

 

A musicalidade do grupo pode ser conferida no show da série Instrumental Sesc Brasil, exibido na sequência. No repertório, composições próprias, como Rumo à Curitiba e Código Ternário, de Carrapicho Rangel; e Panorâmico, de César Roversi; além de Receita de Samba, de Jacob do Bandolim;Qui Nem Jiló, de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira; e Notícia, de Nelson Cavaquinho.

--
Line-UP - Divulgação de Programação e Distribuição de Canais de TV.
http://www.lineup.net.br
http://blog.lineup.net.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

“QUILOS MORTAIS” CHEGA À QUINTA TEMPORADA COM NOVAS HISTÓRIAS DE LUTA CONTRA OBESIDADE MÓRBIDA

INVESTIGADOR PARTICULAR FAMOSO POR SUAS ARTIMANHAS, BRIAN WOLFE RECONSTITUI CASOS DE SEU ARQUIVO EM SÉRIE INÉDITA

BIS estreia terceira temporada de "Versões" em 19 de julho