Documentário premiado mostra o cotidiano de anões que vivem na cidade de São Paulo



 

O curta-metragem Criaturas Que Nasciam em Segredo, dirigido por Chico Teixeira, estreia no dia 27/7, quinta, às 21h, no SescTV


Foto: Divulgação.

Ganhador de mais de 20 prêmios, entre eles o de melhor curta-metragem em 16 mm no 23º Festival de Gramado, em 1995, e três internacionais: na Espanha, no Chile e em Portugal, o documentário Criaturas que Nasciam em Segredo (21'), dirigido por Chico Teixeira, traz depoimentos de anões, que falam sobre suas trajetórias de vida, profissões, dificuldades, sonhos e preconceitos. O filme, que estreia no SescTV, no dia 27/7, quinta, às 21h (assista também em sesctv.org.br/avivo),  é o segundo a ser exibido de uma seleção de 20 - com durações entre 9 e 25 minutos -, que compõem a nova série do canal, Diferente Como Todo Mundo. Com curadoria de Zita Carvalhosa, a série retrata personagens com deficiências físicas e mentais que são protagonistas de suas próprias histórias.

 

Os filmes apresentados participaram, em épocas distintas, do Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo – fundado por Zita, em 1989, com correalização do Sesc desde 1996. O recorte inédito para a televisão é exibido com exclusividade pelo canal e conta com 20 produções brasileiras. A série surgiu a partir de programa de mesmo nome, que integrou a 27ª edição do festival, em 2016, em parceria com o Festival Internacional do Filme, em Cannes, na França.

 

O curta Criaturas que Nasciam em Segredo mostra as dificuldades pessoais e profissionais de anões que moram em São Paulo. Estigmatizados pela baixa estatura, eles são vistos geralmente como engraçadas e excêntricas, o que os leva, muitas vezes, a trabalharem como artistas circenses. José P. dos Santos, mais conhecido como Pinguim, conta que foi abandonado pela avó no circo quando ainda era pequeno. "Eu morava na roça. Chegou o dono do circo e perguntou se ela queria me doar para o circo. Eu nem sabia o que era circo, o que era uma lona armada", explica.

 

Anã, Joceli Lopes lembra que só começou a frequentar a escola aos nove anos de idade e foi ao médico pela primeira vez aos 19. Segundo ela, o motivo foi o receio que sua mãe tinha em deixá-la exposta. "Ela me privava de muitas coisas, tinha medo de eu ser cobaia de médico", comenta.

 

Com narração dos atores Paulo José e Tatá Guarnieri, o documentário fala sobre a discriminação contra os anões, que vem desde a Idade Média, a sexualidade, e sobre os desafios deles, nas metrópoles, para se inserirem em sociedade, superarem o preconceito e realizarem coisas simples da vida, como cuidar da casa e dos filhos. Os sonhos de cada um também são contemplados na produção. "Eu quero mostrar ao povo o jeito que eu sou, porque cada um nasceu como Deus quis, uns grandes, uns pequenos e outros assim", ressalta o artista circense Pingüim.



--
Line-UP - Divulgação de Programação e Distribuição de Canais de TV.
http://www.lineup.net.br
http://blog.lineup.net.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

“QUILOS MORTAIS” CHEGA À QUINTA TEMPORADA COM NOVAS HISTÓRIAS DE LUTA CONTRA OBESIDADE MÓRBIDA

INVESTIGADOR PARTICULAR FAMOSO POR SUAS ARTIMANHAS, BRIAN WOLFE RECONSTITUI CASOS DE SEU ARQUIVO EM SÉRIE INÉDITA

BIS estreia terceira temporada de "Versões" em 19 de julho