Indústria brasileira de TV e filme participa de encontro anual em Los Angeles

Ministro da Cultura participa, pela primeira vez, de evento organizado pelos maiores estúdios de Hollywood e a Câmara de Comércio Brasil-Califórnia

Brasília, 25 de outubro de 2017 - O Brasil quer tornar-se, em 10 anos, o 5º maior produtor audiovisual do mundo, atrás de Índia, Estados Unidos, China e Nigéria. A indústria de cinema, TV e video on demand brasileira é o tema do encontro na próxima terça-feira, 31 de outubro, em Los Angeles. O encontro, patrocinado pela Motion Picture Association Brasil (MPA), entidade que reúne os principais estúdios de Hollywood, e a Câmara de Comércio Brasil-Califórnia, acontece no Luxe Sunset Boulevard Hotel.

O objetivo do encontro é discutir, não apenas os efeitos nocivos da pirataria, mas o cenário legal e regulatório da indústria de filme & tv no Brasil, além dos esforços do país para garantir a proteção dos direitos autorais. Também na pauta está o papel do Estado na construção de modelos de incentivos à produção cinematográfica.

Atualmente, segundo levantamento global da TruOptik, o país figura na lista dos 10 países com maiores índices de pirataria - um dos principais desafios da indústria audiovisual, que movimenta R$ 23 bilhões por ano na economia brasileira, segundo estudo realizado pela MPA em parceria com o Sindicato Interestadual da Indústria Audiovisual (SICAV).

A pirataria de filmes hoje no Brasil acontece, sobretudo, no meio digital e gera diversos danos à economia, como a perda de aproximadamente R$ 2 bilhões de reais por ano à indústria de filmes e mais de R$ 720 milhões em perdas tributárias.

"Vamos mostrar o que o Brasil tem feito e onde pode avançar; por exemplo, na aprovação de projetos de lei antipirataria que estão hoje em debate no Congresso", avaliou Andressa Pappas, diretora de Relações Governamentais da MPA no Brasil.

Segundo estudos recentes, o setor audiovisual brasileiro hoje representa 0,57% do PIB, o que equivale a outros setores da economia, como o turismo e até mais que a indústria têxtil e de moda. A indústria de conteúdos audiovisuais gerou mais de 170 mil empregos diretos e 328 mil empregos indiretos em 2014.

Participação do governo - Pela primeira vez, um ministro da Cultura brasileiro participa dos debates. Sérgio Sá Leitão quer mostrar aos parceiros estrangeiros como o intercâmbio entre os dois países pode aumentar. O Ministério da Cultura anunciou, recentemente, que planeja utilizar integralmente os recursos do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) para incentivar a produção no país. O Fundo é formado por recursos da Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica Nacional (Condecine) e já acumulou R$ 7,5 bilhões, dos quais apenas R$ 1,3 bilhões foram utilizados no ano passado. A cada ano, cerca de R$ 700 milhões são adicionados ao fundo, segundo o Ministério da Cultura.

AGENDA

Data: 31 de outubro de 2017, de 8h às 13h – Horário de Los Angeles

Local: Luxe Sunset Boulevard Hotel, Sunset Boulevard no. 11461, Los Angeles, California

Inscrições pelo link: http://conta.cc/2k075E7

Informações para a imprensa: Flávia Ribas, TORRE Estratégia e Comunicação (61) 98151-3831

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

“QUILOS MORTAIS” CHEGA À QUINTA TEMPORADA COM NOVAS HISTÓRIAS DE LUTA CONTRA OBESIDADE MÓRBIDA

INVESTIGADOR PARTICULAR FAMOSO POR SUAS ARTIMANHAS, BRIAN WOLFE RECONSTITUI CASOS DE SEU ARQUIVO EM SÉRIE INÉDITA

BIS estreia terceira temporada de "Versões" em 19 de julho