Banda Èkó Afrobeat mistura sons africanos com diversos ritmos em dois programas inéditos


 
A big band brasileira participa de um documentário e um show, que o SescTV estreia no dia 12/11, domingo, a partir das 21h


Foto: Piu Dip
Com inspiração na obra do multi-instrumentista e compositor nigeriano Fela Kuti (1938 – 1997), a big band Èkó Afrobeat, formada por artistas diferentes regiões do País, mescla elementos da música africana com funk, jazz e principalmente MPB. A trajetória e sonoridade do grupo são comentadas por seus integrantes em documentário da série Passagem de Som, que o SescTV estreia no dia 12/11, domingo, às 21h. Na sequência, o show da banda é exibido na série Instrumental Sesc Brasil. Inéditas, as produções têm direção geral de Max Alvim e podem ser assistidas também pela internet em sesctv.org.br.  
 
No Passagem de Som, o guitarrista Igor Brasil esclarece que o afrobeat é um ritmo das grandes cidades, resultado de uma fusão entre a música africana, o funk e o jazz. "Fela Kuti, que morou em Londres e nos Estados Unidos, criou o gênero musical em 1963", diz. Brasil lembra que o artista nigeriano nasceu em uma família de classe média alta, filho de um pastor e professor e de uma ativista política na Nigéria. "Tem muito sentido ele fazer suas composições como fez. A formação de Fela, tanto como músico e como conhecimento político, era bem forte", explica. Além deste, a banda tem como principais referências o som do baterista Tony Allen, também nigeriano, e do guitarrista Ebo Taylor, de Gana. 
 
Criada em 2013 em São Paulo, a Èkó Afrobeat surgiu em 2009 como Clube de Bolso Afrobeat, um projeto paralelo da banda de black music instrumental Clube de Bolso, que flertava com o afrofunk. Em 2017, o grupo lançou seu primeiro disco, com o título Èkó Afrobeat, que traz cinco músicas instrumentais e cinco cantadas, e começou fazer shows e realizar tributos a artistas que influenciaram a carreira da big band
 
Na capital paulista, os músicos visitam o restaurante africano Biyou`z, onde conversam com a proprietária e camaronesa Melamito Biyouha. Ela fala sobre a culinária africana e sobre o makossa e o bikutsi, ritmos típicos de Camarões. No centro de dança afro Crisantempo, eles conhecem a bailarina, antropóloga e pesquisadora Luciane Ramos, que se dedica a um trabalho de doutorado sobre danças da região Oeste da África, pela Universidade Estadual de Campinas – Unicamp. Ramos, que utiliza percussão ao vivo em suas aulas, convida a Èkó Afrobeat a participar da atividade "Corpo em Diáspora".  O Passagem de Som  também acompanha o ensaio do grupo para show da série Instrumental Sesc Brasil, que vai ao ar na sequência. No repertório, afrobeat mesclado à MPB e à experiência musical de cada integrante da big band
 
Músicos: Evandro Bezerra (trombone), Edmar Pereira (sax barítono), Mauricio Orsolini (teclados), Bruno Prado (percussão), Mauricio Base (percussão), Rodrigo Bento (sax tenor), Eduardo Marques (bateria), Paulo Kishimoto (baixo), Igor Brasil (guitarra) e Nataniel de Oliveira (trompete).
 
Repertório: Victory (Ebo Taylor), Sambou África (Sheila Sanches e Chico Santana), Kalakuti (Igor Brasil), Reyes (Igor Brasil), 10 de Abril (Igor Brasil) e Enemy (Igor Brasil e Bruna Prado).
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

“QUILOS MORTAIS” CHEGA À QUINTA TEMPORADA COM NOVAS HISTÓRIAS DE LUTA CONTRA OBESIDADE MÓRBIDA

INVESTIGADOR PARTICULAR FAMOSO POR SUAS ARTIMANHAS, BRIAN WOLFE RECONSTITUI CASOS DE SEU ARQUIVO EM SÉRIE INÉDITA

BIS estreia terceira temporada de "Versões" em 19 de julho