Latino é o convidado de Danilo Gentili no The Noite de hoje

 

 

Latino e Danilo / O cantor dança sozinho e ao lado de Léo Lins (Crédito: Eve Schwarz/SBT)

 

No The Noite desta segunda-feira (06), Danilo Gentili recebe Latino, que fala sobre seus 25 anos de carreira. O cantor conta como foi o processo de produção de músicas como "Festa no Apê" e recebe uma homenagem do programa com Murilo, Leo e Diguinho interpretando alguns de seus grandes sucessos. Ele fala ainda sobre seu macaco de estimação, Twelves, e diz: "Eu não vejo ele como bicho, vejo como ser humano. Ele sente quando estou triste ou feliz". Latino também fala sobre o lançamento de um novo DVD, que terá os maiores sucessos de sua carreira repaginados e sua participação no filme de Edir Macedo.

 

Confira outras frases da entrevista:

 

·         Já cansaram de me chamar, eu não curto. Prefiro fazer minha política no palco. (sobre ingressar na política)

 

·         O Twelves gosta muito de frutas, amêndoas, papinha de neném. Ele é bem marcante, principalmente nas redes sociais. Já tem 100 mil seguidores. As mulheres 'pagam um pau' ferrado pra ele. Se eu chegar de Lamborghini e com ele, ele toma a frente.

 

·         Prefiro ficar aqui que já trabalho pra caramba. Curto muito ser brasileiro e fazer show para o meu público. (sobre carreira internacional)

 

·         Pegava mais (mulheres) do que hoje. Eu usava aquelas calças de tactel do MC Hammer. (sobre o visual do início da carreira)

 

·         É simples. Meu relações públicas descobriu essa música na Romênia que não tinha nada a ver com Festa no Apê. Na época minha namorada fez uma festa, eu estava sem voz, fiquei de boa e comecei a observar as situações ali. (sobre a criação de 'Festa no Apê')

 

·         Tenho muita gratidão por eles. Se eu não tivesse seguido os conselhos deles talvez não tivesse seguido o caminho que segui. Engraxava sapato deles ali, comia os restos de comida deles. Cruzei por um ano ou dois com eles ali e fui muito bem tratado. (Sobre Edir Macedo e R. R. Soares o terem ajudado quando ele era garoto de rua no centro do Méier)

 

·         Naquele momento eu cheirava muita cola para inibir a fome. (sobre ter morado na rua)

 

·         Eu liberei. Hoje estou muito bem resolvido, não tem por que esconder meu passado. (sobre ter sua história contada no filme de Edir Macedo)

 

·         Num primeiro momento, com o Edir (Macedo), eu era muito ruim com ele. Jogava tomate podre neles. Eles começavam a pregar seis, sete da manhã e sempre acordavam a gente, então os caras tacavam tomate, ovo. Depois virei um cara que intermediava os moleques de rua e os pregadores de rua.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

“QUILOS MORTAIS” CHEGA À QUINTA TEMPORADA COM NOVAS HISTÓRIAS DE LUTA CONTRA OBESIDADE MÓRBIDA

INVESTIGADOR PARTICULAR FAMOSO POR SUAS ARTIMANHAS, BRIAN WOLFE RECONSTITUI CASOS DE SEU ARQUIVO EM SÉRIE INÉDITA

BIS estreia terceira temporada de "Versões" em 19 de julho