Nova série da ‘GloboNews’ mostra formas inovadoras de fazer política na América Latina


 

"Políticos não são os outros, político é você!". A fala de um dos personagens de "Política: modo de usar" é uma das chaves da série semanal que estreia na Globonews na terça-feira, dia 7, às 21h30. Os quatro episódios mostram novas formas de lidar com a política. São iniciativas experimentadas em países da América Latina, incluindo o Brasil, que tratam de temas como despolarização da sociedade, transparência, partidos digitais e fiscalização das ações de parlamentares e governantes. Tudo que instiga a maior participação dos cidadãos.

 

"Com essa série, a GloboNews lança um olhar para novas práticas políticas que estão acontecendo em países muito próximos, com culturas e problemas sociais semelhantes aos nossos.  A começar pelo nome, "Política: Modo de Usar", mostra que o cidadão deve acompanhar os processos de forma propositiva", explica Cristina Aragão, da GloboNews, que assina da supervisão do programa.

 

A série tem coprodução da Maria Farinha Filmes e parte do trabalho do Instituto Update, organização brasileira que estuda e fomenta práticas políticas emergentes na América Latina. Em 2015, a organização mapeou 700 iniciativas em 20 países. No ano passado, dois dos cofundadores, Rafael Poço e Beatriz Pedreira, que apresentam a série, viajaram para 11 países (México, Guatemala, Argentina, Uruguai, Chile, Paraguai, Colômbia, Equador, Peru, Bolívia e Brasil) para conhecer alguns projetos. "Ações que criam uma politica mais democrática, diversa, transparente e participativa estão crescendo. Com a série, buscamos mostrar que podem ser  potencializadas e espelhadas no Brasil", pontua Rafael.

 

Rafael e Beatriz apresentam pessoas, coletivos e organizações que desenvolvem projetos e iniciativas para aproximar o cidadão da política, seja por meio da tecnologia, das redes sociais ou de outras formas de atuação. O primeiro episódio mostra o despertar de jovens comuns para a necessidade de estar inserido nesse campo, seja se candidatando a algum cargo ou influenciando a sociedade para o debate . No Chile, por exemplo, é possível ser candidato independente. Assim, Giorgio Jackson, um líder estudantil, foi eleito deputado federal em 2013 e tornou-se representante da nova geração de políticos. Ele utiliza as redes sociais para falar sobre as sessões, prestar de contas e justificar como vota no Congresso. Também criou o DemocracyOs, uma ferramenta onde os políticos podem inserir projetos de lei, que ficam disponíveis para sugestões e críticas.

 

Já a população do Paraguai está no meio de um processo pelo fortalecimento da democracia, e acredita em um futuro diferente e melhor. Federico Filártiga é jornalista e responsável pelo Latitude25, uma mídia independente. Entre inúmeras ações, faz coberturas ao vivo sobre as votações e manifestações. Em um programa no qual entrevista políticos e autoridades, lançou uma ideia inovadora: a conversa é feita em uma espécie de boteco, enquanto come lomitos, um tipo de sanduiche paraguaio bem popular. O objetivo é mostrar que os entrevistados  podem se comportar como qualquer cidadão.   

 

"Estados Unidos e Europa vivem desafios sociais e políticos diferentes dos nossos, por isso faz mais sentido olhar para a América Latina. Fica difícil dizer que tal solução não funcionaria aqui se teve sucesso na Colômbia, no México ou Paraguai", diz Beatriz Pedreira. "Enquanto o sistema político atual parece estar desmoronando, um outro mundo de possibilidades surge. São ações que aprofundam a democracia e aumentam a confiança das pessoas. Quando descobrimos que 700 iniciativas estão caminhando para algo positivo e fortalecedor, reativamos a esperança em acreditar na política como ferramenta de transformação", afirma Rafael Poço.  

 

O último episódio da série é focado no Brasil e apresenta cinco iniciativas. Um exemplo é o "Serenata de Amor", tecnologia de inteligência artificial que aponta fraudes na prestação de contas das verbas parlamentares. "A série mostra que, quanto mais próximo dos políticos, mais é possível exercer a cidadania, cobrando e acompanhando. Todos os cidadãos podem atuar, exigindo, por exemplo, transparência.  Vamos mostrar que os brasileiros estão se organizando em grupos, em movimentos, independentemente de ideologias. O importante é que essas práticas sejam instrumento para uma democracia mais forte e um país melhor", finaliza Cristina Aragão.

 

Foto1: Rafael Poço e Beatriz Pedreira  durante gravação do programa

Foto2: Série mostra manifestação no Chile

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

“QUILOS MORTAIS” CHEGA À QUINTA TEMPORADA COM NOVAS HISTÓRIAS DE LUTA CONTRA OBESIDADE MÓRBIDA

INVESTIGADOR PARTICULAR FAMOSO POR SUAS ARTIMANHAS, BRIAN WOLFE RECONSTITUI CASOS DE SEU ARQUIVO EM SÉRIE INÉDITA

BIS estreia terceira temporada de "Versões" em 19 de julho