Gui Hargreaves imprime a construção poética sobre o tempo em "Eternidade", novo single e clipe


O tempo da poética não é o mesmo que o do relógio. Não se imprime em datas, não é antes nem depois: esse é o caminho do inconsciente. É desse modo que trabalha o artista Gui Hargreaves, e dessa construção poética nasce hoje (22) seu novo single, não por acaso, chamado "Eternidade", que também presenteia os fãs com uma produção audiovisual.

O mundo deu voltas e Gui deu voltas no mundo até chegar a "Eternidade". Passou por uma temporada na Itália, que emendou com uma temporada riquíssima na Inglaterra, onde registrou o disco "Volta" (2017), seu mais recente trabalho lançado, com verdadeiro dream team da música mundial.

Só que para ele dream team são os parceiros que escolhe para projetos específicos e não uma relação de músicos com currículos de peso. O atual time dos sonhos de Gui Hargreaves é ele, Leo Marques e pronto. O que importa na verdade (e no momento) é o timing da canção.

Ela aparecera em registro comovente ao vivo em apresentação no Palácio das Artes, em 2015, mas os arquivos se perderam. Foi a chance de mergulhar no próprio baú de sua vida e resgatar memórias e registros passados para modelá-los em formato sonoro.

Para os arranjos de "Eternidade", Gui resgatou fitas-cassete de quando tinha 3, 4 anos de idade, e os costurou harmonicamente à canção. Para o videoclipe, buscou também arquivos gravados em VHS de quando estava na primeira infância e transformou em "de volta para o futuro" audiovisual.

A própria canção pedia isso. Mais. Ela exigia um alto nível de contraste entre sua temática densa e seu arranjo e sonoridades envolventes. Precisava da referência de conforto uterino para deitar poesia áspera e calorosa. Isso enquanto abre um outro contraste de expor questões universais sob ponto de vista pessoal.

Da gênese de "Eternidade" passando pelos dois trabalhos que vieram em sequência – além de "Volta", gravou também "Braseiro" -, o single faz sentido nessa revolução temporal de Gui Hargreaves.

"Essa música só existe porque eu tive de atravessar os momentos que me fizeram o que sou. O que me aconteceu como menino, como homem, como filho, um dia quiçá como pai; é desse universo que parto, literalmente." Pois parta.

Assista aqui: https://youtu.be/28SGSGLPfh8

 

Ficha técnica:
Direção: Izabela Silva e Bruna Maynart
Letra e Música por Gui Hargreaves, 2017 ©
Produzida, gravada, mixada e masterizada por Leonardo Marques no Estúdio Ilha do Corvo em Belo Horizonte (MG).
Participações especiais:
Guri Assis Brasil 
Lumineiro Salve Salve.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

“QUILOS MORTAIS” CHEGA À QUINTA TEMPORADA COM NOVAS HISTÓRIAS DE LUTA CONTRA OBESIDADE MÓRBIDA

INVESTIGADOR PARTICULAR FAMOSO POR SUAS ARTIMANHAS, BRIAN WOLFE RECONSTITUI CASOS DE SEU ARQUIVO EM SÉRIE INÉDITA

BIS estreia terceira temporada de "Versões" em 19 de julho