O processo de criação de importantes violonistas brasileiros é tema de documentário inédito no SescTV

 
Violão Canção traz entrevistas com João Bosco, Renato Braz, Paulo César Pinheiro, Guinga, Sérgio Assad, Marco Pereira, Daniel Murray e outros instrumentistas que falam sobre sua relação com a música


João Bosco e Chico Saraiva. Foto: Avoa Filmes/Divulgação.
 
O SescTV exibe pela primeira vez, no dia 16/12, sábado, às 22h, o documentário Violão Canção - Uma Alma Brasileira (2016, 31 min.), dirigido por Rose Satiko e pelo músico Chico Saraiva. Na produção, entremeada por canções clássicas, Saraiva investiga diferentes processos de criação e redescobre artistas que influenciaram a carreira de violonistas como João Bosco, Marco Pereira, Sérgio Assad, Guinga, Paulo César Pinheiro, Luiz Tatit e Paulo Bellinati. (assista também em sesctv.org.br/avivo).
 
Saraiva cresceu em Campinas, cidade do interior de São Paulo, e estudou música popular na Unicamp - Universidade Estadual de Campinas. Com vinte anos dedicados à música, o artista é arranjador, instrumentista, produtor, compositor e violonista. Saraiva já fez parte do grupo A Barca, atuou em espetáculos teatrais e compôs trilhas sonoras para curtas-metragens. Gravou ainda os álbuns Água (2000), Turista aprendiz (2000), Baião de Princesas (2002) e Trégua (2003).
Segundo o músico, o impulso em seguir as pistas que a música dá foi a razão que o levou a gravar o documentário Violão Canção - Uma Alma Brasileira. "Uma hora resolvi levantar, partir e ir para junto daqueles que acharam um caminho de ida e de volta, entre o violão e a canção", comenta Saraiva, que foi atrás de importantes violonistas para descobrir o que os motivava a criar.
 
No filme, o cantor, compositor e violonista João Bosco relembra seus primeiros acordes ao violão e fala sobre sua inspiração pela obra de Dorival Caymmi. "A música dele mudou muito a minha vida. Nas canções que eu faço, o violão está totalmente integrado à composição e ao canto. Isso eu aprendi com ele", afirma Bosco. Outros grandes mestres que ajudaram o violonista a trilhar seu caminho foram o pianista de jazz norte-americano Dave Brubeck e o multi-instrumentista brasileiro Moacir Santos. 
 
O compositor Paulo César Pinheiro explica de que forma escreve suas músicas: "Os temas das canções não são meus. As palavras já estão lá. Minha função é descobri-las, entender o que a música quer, a sonoridade das palavras e os temas que já existem". Para o artista, o importante é que a emoção prevaleça.
 
Já o violonista Guinga demostra emoção ao falar de Chico Buarque de Holanda. "Ele toca o violão de um jeito que ninguém consegue imitar. É o rei das inversões. Nunca vi na música popular brasileira alguém usá-las como o Chico faz com o violão. Ele é maravilhoso", afirma o músico.    
 
Além das entrevistas, o documentário apresenta trechos das músicas Gagabiro, de João Bosco, interpretada por ele; Abismo de Rosas, de Canhoto, tocada por Marco Pereira; Incerteza, de Chico Saraiva e Luiz Tati, por Chico Saraiva; Morro Dois Irmãos, de Chico Buarque, e Estrela da Terra, de Dori Caymmi e Paulo César Pinheiro, ambas por Guinga. 
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

“QUILOS MORTAIS” CHEGA À QUINTA TEMPORADA COM NOVAS HISTÓRIAS DE LUTA CONTRA OBESIDADE MÓRBIDA

INVESTIGADOR PARTICULAR FAMOSO POR SUAS ARTIMANHAS, BRIAN WOLFE RECONSTITUI CASOS DE SEU ARQUIVO EM SÉRIE INÉDITA

BIS estreia terceira temporada de "Versões" em 19 de julho