SescTV resgata tradição da festa de Folia de Reis



 
Episódio da série Coleções examina comemoração regional na cidade de Valença (RJ) e vasculha os símbolos religiosos escondidos atrás da história da cerimônia
 

Foto: Giros Produções.
 
Motivada a apresentar expressões regionais da cultura brasileira em linguagem documental, a série Coleções foi à cidade de Valença (RJ) retratar a tradicional festa de Folia de Reis. A celebração homenageia os três reis magos que, segundo a narrativa católica, presentearam Jesus, dias após seu nascimento. O SescTV exibe o episódio Folia de Reis, com direção geral de Belisario Franca, às 21h30 de terça-feira, dia 04/01, a dois dias da data festiva (assista também pela internet em sesctv.org.br/avivo).

Tradicionalmente, quem organiza, aloja, ou participa da Folia de Reis precisa fazê-lo por sete anos consecutivos. Mas o mestre folião Francisco Ferreira conta que, embora cumprido o período, seguiu participando, por paixão. "Não ligo para festa, carnaval, baile, mas com a Folia de Reis a gente lida o ano inteiro", diz. Além de narrar o mito dos soldados do rei Herodes, representados na festa pelos palhaços e que, na história, tentaram matar o menino Jesus, Francisco admite dispor de poucos recursos para fazer a Folia, razão pela qual aceita as ofertas dos devotos.
 
O episódio apresenta os personagens tradicionais do festejo: o bandeireiro, que ergue o estandarte sagrado; o folião e o contramestre, que cantam; e os requintas, que tocam o instrumento principal da Folia (o triângulo, símbolo do sino de Belém) e se encarregam da chamada 'resposta', canto semelhante ao do galo diante do nascimento de Jesus. Também ressoam no evento o reco-reco e a sanfona, alma da Folia, e, depois da cantoria, é vez da chula, atividade mais divertida ao público. Para Frederico Santos, desenhista das capas da festa, chamadas de "revirão", a chula é "a reunião dos palhaços", incumbidos de comandar o resto do batalhão.
 
O produtor cultural e pesquisador Libório de Souza também participa do episódio, detalhando como começa e depois se encaminha a Folia de Reis, ressaltando o simbolismo de cada personagem representado, resgatando a história da festa e refletindo a respeito da sobrevivência dessa tradição na modernidade. Ao contrário da igreja, ele enxerga a Folia de Reis como "uma festa profana de inspiração religiosa", que alude, segundo ele, a elementos da umbanda e da cultura pop, por exemplo, ao Bob Marley, ao Pink Floyd e à personagens de desenhos animados.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

“QUILOS MORTAIS” CHEGA À QUINTA TEMPORADA COM NOVAS HISTÓRIAS DE LUTA CONTRA OBESIDADE MÓRBIDA

INVESTIGADOR PARTICULAR FAMOSO POR SUAS ARTIMANHAS, BRIAN WOLFE RECONSTITUI CASOS DE SEU ARQUIVO EM SÉRIE INÉDITA

BIS estreia terceira temporada de "Versões" em 19 de julho