SescTV comemora os 464 anos de São Paulo com programação diversificada que mostra as várias faces artísticas e culturais da cidade


 
Conversa com Tom Zé, documentário sobre a Rua Augusta, show do Elo da Corrente e uma homenagem a Adoniran Barbosa estão entre as atrações
 

Arquiteturas - Rua Augusta. Foto: Sergio Roizenblit
 
 
Dia 25 de janeiro, quinta-feira, a cidade de São Paulo fica mais velha. Para presentear seus 464 anos, o SescTV preparou uma programação temática que homenageia a cidade mais populosa do Brasil. A oferta atrai paladares variados: vão de apresentações de músicas clássicas e contemporâneas a conteúdos que convidam à discussão de manifestações artísticas importantes à cidade: na arquitetura, na dança e no cinema. (Assista também emsesctv.org.br/aovivo).
 
A primeira atração começa às 8h, com o programa Arquiteturas refletindo sobre as histórias e transformações da Rua Augusta, um dos símbolos da capital. Com direção de Paulo Markun e Sergio Roizenblit, o episódio mostra a representação da via no imaginário de artistas e pessoas comuns. Às 13h, o Passagem de Som revela a trajetória musical e os bastidores da banda paulistana de rock underground Smack!. Na sequência, o canal exibe o show do grupo, na série Instrumental Sesc Brasil, gravado no Sesc Consolação, na capital paulista.
 
Às 14h30, o convite é para conhecer as dificuldades enfrentadas por famílias de São Paulo que recorrem a ocupações como alternativa de moradia. É o que propõe o episódio Sem-Teto, da segunda temporada da série Habitar Habitat, também dirigida pela dupla Paulo Markun e Sergio Roizenblit. A produção visitou ocupações na capital paulistana e em Porto Alegre – RS, para repensar a luta pelo direito à moradia e revelando o medo constante do despejo e o sonho de conquistar a casa própria.
 
Às 19h, o SescTV apresenta o trabalho original do trio de rap paulistano Elo da Corrente, no show gravado no Sesc Vila Mariana, na cidade de São Paulo, quando os artistas foram lançar o álbum Cruz. Às 20h, o espectador pode compreender um pouco da cidade de São Paulo por meio da dança, no espetáculo Adoniran, com o Ballet Stagium. A produção, dirigida e coreografada por Décio Otero, com direção teatral de Marika Gidali, constrói metáforas cênicas nas canções do autor de Trem das Onze, que carregam relações expressivas com a cidade. A atração faz parte da série Dança Contemporânea, com direção para TV de Antonio Carlos Rebesco. 
 
Às 22h30, o Passagem de Som volta à cena para acompanhar o cantor, compositor e arranjador Tom Zé caminhando pelas ruas da cidade aniversariante. Em seguida, às 23h, o Sala de Cinema entrevista o ator José Mojica Marins, famoso pelo papel do Zé do Caixão, cuja obra macabra se inspirou em histórias insólitas que Mojica presenciara circulando pelos bairros paulistanos.
 
Por fim, às 24h, o concerto O Tenor Perdido: O Violoncello Piccolo de 4 Cordas, gravado na Igreja Nossa Senhora da Boa Morte, na capital paulista, apresenta peças barrocas do século XVII, com execução do violoncelista Dimos Goudaroulis e o cravista Nicolau de Figueiredo.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

“QUILOS MORTAIS” CHEGA À QUINTA TEMPORADA COM NOVAS HISTÓRIAS DE LUTA CONTRA OBESIDADE MÓRBIDA

Canal Gloob lança ovo de Páscoa de “Miraculous – As Aventuras de Ladybug”

MEGAPIX - Destaques de 13 a 19 de março