​A ansiedade de uma mãe em busca do filho pode ser sentida em cena de 'O Filho Uruguaio'


DRAMA DIRIGIDO POR OLIVIER PEYON ESTREIA EM 20 CIDADES ENTRE 1 E 29 DE MARÇO
No longa "O Filho Urguaio", Sylvie (Isabelle Carré) viaja da França ao Uruguai determinada a resgatar o filho Felipe (Dylan Cortes), que foi sequestrado há quatro anos pelo pai. Na cena divulgada em you.tube/-bm5bpBxNRg, a mãe fala ao telefone com o assistente social Mehdi (Ramzy Bedia), que está se aproximando de Felipe para ajudá-la em sua missão. Nervosa e ansiosa, Sylvie bombardeou Mehdi com perguntas: "Está com ele? O que ele disse? Ele está como nas fotos ou maior?".
Com distribuição da Bonfilm, "O Filho Uruguaio" traz um olhar envolvente e emocionante da busca de uma mãe por seu filho. Elogiado na última edição do Festival Varilux de Cinema Francês, o longa-metragem chega aos cinemas brasileiros dia 1 de março em quatrocidades: Rio de Janeiro, São Paulo, Porto Alegre e Goiânia. Em outras 16 (Niterói, Brasília, Belo Horizonte, Curitiba, Salvador, Petrópolis, Pelotas, Rio Grande, Santa Maria, Caxias do Sul, Florianópolis, Vitória, Recife, Fortaleza, Maceió e Belém) estreia até 29 de março.
O diretor Olivier Peyon, que esteve no Brasil no ano passado para participar do Festival Varilux de Cinema Francês em 2017, ressalta as qualidades da atriz Isabelle Carré: tinha gostado muito dela no filme "Le Refuge" de François Ozon. Gostei do lado duro e naturalista que ela mostrava. Esse papel, primeiro me pareceu contra a natureza dela: no começo do filme, ela é um pouco antipática, seca e difícil de entender. O personagem da Sylvie se encontra numa situação de emergência: quatro anos sem ver o filho não deixa para ela o tempo de compor ou de ser amável. Pedi à Isabelle para baixar o tom de voz dela e para estar sempre em movimento. Ela era meu pequeno soldado, disposta a tudo. Isso me sossegava e me estruturava. Acho que eu também a sossegava.
Sinopse
É no Uruguai que Sylvie finalmente encontra a pista sobre o paradeiro de seu filho, sequestrado há quatro anos pelo ex-marido. Com a ajuda preciosa de Mehdi, ela vai recuperá-lo, mas ao chegar lá, nada acontece como previsto: a criança, criada por sua avó e sua tia, parece feliz e radiante. Sylvie percebe que Felipe cresceu sem ela e que agora sua vida é em outro lugar.
"O filho uruguaio" é uma viagem existencial, mas mais longínqua, onde uma mãe se questiona diante da felicidade que o filho construiu sem ela e com outras pessoas. Problema que o diretor resolve com uma direção suave, pudica, iluminada pela luz da América Latina, se prendendo a cada detalhe do cotidiano de um garotinho". Guillemette Odicino, Télérama
"Um dilema tratado com sutileza, assim como a interpretação ao mesmo tempo sensível e delicada de Isabelle Carré e Ramzy Bedia". Thierry Cheze, Sudio Ciné Live
"Um filme de muita sensibilidade sobre a maternidade e a renúncia, bem afastado dos caminhos comuns. Ramzy Bédia encena com muita exatidão e Isabelle Carré interpreta uma magnífica mãe em processo de aprendizagem".Valérie Beck, Femme Actuelle
Um filme naturalista, luminoso e comovente, onde a doçura de viver e o bem-estar da criança apagam os rancores dos adultos". Ghislaine Tabareau, Les Fiches du Cinéma
Não satisfeito em nos oferecer um olhar lúcido e benevolente sobre o tema universal da maternidade, Olivier Peyon nos permite descobrir um Ramzy Bédia inédito. Claudine Levanneur, aVour-aLire.com
Esse belo filme, inspirado numa história verdadeira, dá a Isabelle Carré um papel rico em asperezas. Pierre Vavasseur, Le Parisien


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

“QUILOS MORTAIS” CHEGA À QUINTA TEMPORADA COM NOVAS HISTÓRIAS DE LUTA CONTRA OBESIDADE MÓRBIDA

INVESTIGADOR PARTICULAR FAMOSO POR SUAS ARTIMANHAS, BRIAN WOLFE RECONSTITUI CASOS DE SEU ARQUIVO EM SÉRIE INÉDITA

BIS estreia terceira temporada de "Versões" em 19 de julho