​Post-rock da banda Labirinto é destaque em programas inéditos do SescTV

No Passagem de Som, os membros do grupo paulistano revelam suas influências incomuns. No Instrumental Sesc Brasil, apresentam o repertório do álbum Gehenna

 Domingo, dia 25/2, a partir das 21h, o SescTV apresenta dois programas com a banda de post-rock experimental Labirinto, que, fazendo uso de recursos sonoros carregados de visualidade, tem sido aplaudida internacionalmente. No Passagem de Som, os instrumentistas relembram a trajetória do grupo e destacam a influência inusitada do jogo de RPG (Role Playing Game), praticado pela maioria de seus membros, para construir a sonoridade do disco Gehenna. O repertório do álbum, muito elogiado pela crítica, conduz o show gravado no Sesc Consolação, que é exibido no Instrumental Sesc Brasil, logo a seguir. A direção geral é de Max Alvim. (Assista também em sesctv.org.br/aovivo).

Labirinto surgiu em 2005, quando o casal de namorados Erick Cruxen, guitarrista, e Muriel Curi, baterista, decidiram improvisar um estúdio na casa onde moravam para desenvolver um trabalho autoral. "Surgiu dessa ideia de querer aprender a gravar", explica Erick, em depoimento para o programa Passagem de Som. O primeiro álbum demoraria cinco anos, Anatema (2010), mas valeu o tempo dedicado: foi eleito pelo jornalista Fabio Massari um dos 20 melhores discos de metal alternativo de todos os tempos. A partir disso, a moral foi tanta que outro jornalista, Luiz Mazetto, colocou a banda Labirinto como representante brasileira entre as referências mundiais do post-rock, retratadas em seu livro "Nós Somos a Tempestade 2". "É um disco bem marcante para o metal no Brasil", avalia Luiz, autor da obra.

O nome do disco, Gehenna, alude à simbologia do inferno. "Mas não é um inferno literal", pondera Erick, "é metafórico, é um inferno pessoal, que as pessoas passam em vida, no cotidiano, na sociedade", completa. O álbum conta com a participação do guitarrista belga Mathieu Vandekerckhove e a produção do norte-americano Billy Anderson, duas figuras reconhecidas na cena do post-rock mundial. "A gente adorava os trabalhos dele (Billy) e achou que tinha muito a ver com o som que a gente estava fazendo", diz Erick. O jornalista Luiz Mazetto também enaltece o produtor. "Ele sempre deixa tudo com um som muito orgânico, mais pesado, ele não fica polindo muito o som das bandas", avalia.

O show da banda Labirinto, gravado no Sesc Consolação e exibido no programa Instrumental Sesc Brasil, mostra uma sonoridade complexa que ecoa melodias diversificadas. Além do post-rock e post-metal, assume-se influenciada pela música progressiva, clássica, eletrônica e até por instrumentos tribais e trilhas sonoras de filmes. Mas a raiz menos comum que originou o som psicodélico, agressivo e original do grupo não vem de nenhuma escola musical; vem do RPG, o jogo de tabuleiro

​​
popular na cultura nerd, em que se inventa uma narrativa e os jogadores interpretam papéis. Erick Cluxer explica como o jogo interfere no som da Labirinto. "Muito do que eu aprendi, do que eu li de RPG e do mundo da fantasia ajuda a extrapolar um pouco, porque a gente imagina as músicas como se fossem músicas de filmes. E isso eu tenho certeza que a gente traz do jogo, dessa visualização", diz o guitarrista.

Repertório: Repertório: Mal Sacré, Aung Suu, Enoch, Qumran, Avernus, Alamut (Erick Cruxen).

Músicos: Eric Cruxem (guitarra), Kiko Bueno (guitarra, sintetizador e percussão), Luis Naressi (guitarra, sintetizador e percussão), Hristos Eleuterio (baixo), Muriel Curi (bateria), Lucas Melo (percussão).


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

“QUILOS MORTAIS” CHEGA À QUINTA TEMPORADA COM NOVAS HISTÓRIAS DE LUTA CONTRA OBESIDADE MÓRBIDA

INVESTIGADOR PARTICULAR FAMOSO POR SUAS ARTIMANHAS, BRIAN WOLFE RECONSTITUI CASOS DE SEU ARQUIVO EM SÉRIE INÉDITA

BIS estreia terceira temporada de "Versões" em 19 de julho