Série resgata experiências dramáticas e expõe futuro incerto dos refugiados no Brasil


 
Exibido pelo SescTV, episódio inédito da série Habitar Habitat desvenda as histórias de vida de refugiados de cinco países em terras brasileiras

 
A congolesa Sylvie Mutiene. Foto: Produção Habitar Habitat.

Cerca de nove mil refugiados, provenientes de 80 países, vivem hoje no Brasil. Em geral, essa migração forçada deve-se à deflagração de conflitos étnicos, políticos e geográficos em suas nações de origem. No episódio Refugiados, da segunda temporada da série Habitar Habitat, os diretores Paulo Markun e Sergio Roizenblitrecuperam as memórias migratórias de refugiados oriundos do Haiti, Síria, Congo, Colômbia e da antiga Iugoslávia, e expõem as dificuldades de integração que ainda emperram as suas vidas. O SescTV estreia a produção no dia 20/2terça-feira, às22h. (Assista também emsesctv.org.br/aovivo).
 
Dos nove mil refugiados que vivem no Brasil, 2480 são sírios. Isso porque, a partir de 2011, as forças do presidente Bashar Al-Assad chocaram-se com as da oposição. Nesse período, conta-se 400 mil mortos e onze milhões de pessoas que debandaram de suas casas. Uma delas foi Abdulabaset Jarqur. Militar na guerra síria, foi baleado e, em seguida, decidiu fugir. "Ninguém vai entender a situação, por que eles matam assim", lamenta. Quando chegou em São Paulo, em 2014, Abdu foi acolhido pela professora Valdivia Barboza. Preferiu evitar o refúgio na Europa, ainda ilegal em muitos países. Ele pede que tenham a solidariedade que Valdivia teve com ele, com outras pessoas. E opina que, se cada um abrir uma porta, o refugiado ficará bem. "Porque o governo não ajuda", critica.
 
O episódio também destaca a história da congolesa Sylvie Mutiene. Em 2013, após os conflitos com Ruanda de 1998 a 2003, o Congo ainda era um país violento. Em uma manifestação, o marido de Sylvie, membro do partido de oposição congolês, foi preso. Ligou para Sylvie e pediu que se apressasse a deixar o país. Mas ela não teve tempo. Militares invadiram a residência do casal, agrediram Sylvie, tomaram-lhe o filho do colo e o atiraram à parede. "Naquele dia, tudo mudou na minha vida para eu morar no Brasil", relembra, ainda com dor. Ela conta que conheceu um capitão de navio que a escondeu, junto com seu filho, em uma embarcação. O destino, desconhecido por eles, era São Paulo. Quando ela foi se registrar em um abrigo de refugiados na cidade, teve a surpresa: a recepcionista chamou o nome de seu marido. Ela se espantou com a coincidência: ele não só fugira para a mesma cidade, como estava no mesmo abrigo. "Foi naquele dia que eu acetei o meu destino. Foi naquele dia que eu aceitei que ele era o homem da minha vida", comove-se Sylvie.
 
São contadas, ainda, três histórias: a do casal Chilet e Ronia, que fugiram de Porto Príncipe, capital do Haiti, após o terremoto devastar 80% da cidade em 2010, e abrigaram-se no Rio Grande do Sul; de Dragica Stefanovic, forçada, por conflitos separatistas da antiga Iugoslávia, nos anos 1990, a se apertar em um contêiner de 24m² na Serra da Cantareira; e de Fábio Andrade, que, em 2013, foi a São Paulo morar no CRAI (Centro de Referência e Atendimento a Imigrantes), após deixar a Colômbia, para se proteger do conflito entre o governo local e as FARC (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) e, para quem, "a guerra vem só para acabar com a beleza do país e das pessoas".
 
As cinco narrativas que compõem o episódio da série Habitar Habitat alertam para as mesmas dificuldades vividas pelos refugiados no Brasil. No episódio, Julia Bertino Moreira, professora de Relações Internacionais da Universidade Federal do ABC, esclarece o que essas pessoas têm em comum. "A questão dos refugiados se refere a pessoas desenraizadas, ou seja, pessoas que tiveram de se deslocar, de maneira forçada, abandonando seu país de origem. Portanto, tem todo o imaginário em torno da terra natal, de costumes, tradições, a questão linguística, e assim por diante. Elas migram em contextos de extrema violência, por guerras civis, conflitos armados, ou mesmo outras situações de instabilidade política, o que vai leva-las a pedir refúgio a um outro Estado", define.
 
Lançada pelo SescTV em novembro de 2017, a segunda temporada da sérieHabitar Habitat apresenta, em linguagem documental, diferentes modos de morar no país e suas relações com a cultura. Ela trata o conceito de moradia não apenas como espaço físico, mas também como núcleo de convivências, afetos e deslocamentos. Os treze episódios, de 52 minutos, retratam a vida em quilombos, assentamentos, ocupações, asilos, cortiços e internatos; e ainda registram o cotidiano de refugiados, ciganos, moradores de comunidades alternativas,motorhomes, faróis e veleiros.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

​EM SAFRA INÉDITA NO TLC, “OS BUSBYS + 5” VIAJAM A NOVA YORK E APOSTAM EM NOVO NEGÓCIO

​NOVA SAFRA DE “UMA MULHER DE PESO” NO TLC SEGUE WHITNEY THORE EM FASE CRÍTICA DA CARREIRA E NA VIDA PESSOAL

Série Rotas do Ódio estará com acesso livre no Universal Channel Play nesta semana