​Tássia Reis e Laylah celebram a diversidade da música africana, em apresentações no Festival Batuque 2016



Jazz, rap, rock e reggae fazem parte dos shows inéditos que o SescTV exibe, dia 21/12, quarta-feira, às 22h


Tássia Reis. Foto: Alex Ribeiro/ Visor Mágico
 
Para celebrar a música negra e suas vertentes, o Festival Batuque recebe, a cada ano, artistas nacionais e internacionais, em apresentações vibrantes, no Sesc Santo André, na Região do Grande ABC, em São Paulo. A MC paulistana Pathy Dejesus apresentou a 7ª edição do evento, realizado em dezembro de 2016, que contou com os shows das rappers Tássia Reis e Laylah, gravados pelo SescTV – direção para TV de Daniel Pereira. As apresentações vão ao ar no dia 21/2, quarta-feira, às 22h. (Assista também em sesctv.org.br/aovivo).
 
Nascida na periferia da cidade de Jacareí, interior de São Paulo, Tássia Reis começou sua carreira dançando hip-hop. Aos 18 anos, foi estudar moda na capital paulista. Na mesma época, começou a participar das famosas disputas de rimas - que lançam rappers na cidade -, e a compor suas canções, que hoje, classifica como "rap jazz", estilo que mescla os dois gêneros musicais de raiz negra. 
 
Há cinco anos na estrada, Tássia entende que o ato de compor é um estado de profunda reflexão. "Acredito que fazer música é uma busca por perguntas e respostas sobre minha ancestralidade e religiosidade. Tem a ver com o que está guardado e precisa sair". 
 
Em seu show, a cantora apresenta um repertório baseado no disco Autoesfera, de letras autobiográficas. As canções tratam de questões sobre a defesa do feminino, a mulher negra, a luta diária contra o machismo e a liberdade de poder ser e usar o que quiser. "Não é Proibido fala do medo das coisas, da vida e de se relacionar. Já Se Avexe Não, representa o choro contido e a Ouça-me, o grito. Todas as músicas tem um lugar de fala", explica Tássia.  
 
A segunda apresentação da noite traz a cantora Laylah Arruda, em um show baseado no disco Amálgama, junção entre o batuque brasileiro e o reggae. No repertório, as canções Mãe Preta, Humano Baldio e Um Rolê de Sound System. "O som que eu faço é uma mistura do reggae e do rap, o Stepa, uma vertente da música jamaicana", explica Laylah 
 
Cantora desde os 12 anos, Laylah iniciou sua trajetória como solista em um coral. Depois, experimentou os ritmos e as rimas do rap, até vincular-se ao reggae. A artista destacou-se como uma das pioneiras do Sound System, movimento que consiste em levar caixas de som e toca-discos para as ruas, e tocar para o povo. Laylah também foi a primeira cantora brasileira de reggae a ter uma música prensada em vinil, com a canção Olhem Para África, no formato compacto 7".
 
Músicos:

Tássia Reis
Repertório: Não é Proibido, Meu Rapjazz, Se Avexe Não, Semana que Vem, Da Lama, Ouça-me
 
Laylah
Repertório: Humano Baldio, Mãe Preta, História Única PT1, História Única PT2, Flor de Aço

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

“QUILOS MORTAIS” CHEGA À QUINTA TEMPORADA COM NOVAS HISTÓRIAS DE LUTA CONTRA OBESIDADE MÓRBIDA

INVESTIGADOR PARTICULAR FAMOSO POR SUAS ARTIMANHAS, BRIAN WOLFE RECONSTITUI CASOS DE SEU ARQUIVO EM SÉRIE INÉDITA

BIS estreia terceira temporada de "Versões" em 19 de julho