​Série documental inédita Palhaças do Mundo estreia no SescTV


 
A produção apresenta curtas-metragens que abordam o universo das mulheres palhaças, suas histórias e peculiaridades 

Andrea_Macera_2_Foto_Nossa_Produtora.jpg
Andréa Macera. Foto: Nossa Produtora.
 
O SescTV estreia a série documental Palhaças do Mundo, que aborda o universo das mulheres palhaças de diferentes países. Composta por 12 episódios – cada um com dois curtas-metragens e duração total de 20 minutos –, a série conta histórias de palhaças, seus personagens, inspirações, comicidade e individualidades. Os curtas têm direção de Manuela Castelo Branco, que também é palhaça, e foram gravados durante o Festival Palhaças do Mundo (antigo Encontro de Palhaças de Brasília), no Distrito Federal, realizado desde 2008, com o intuito de difundir a arte da palhaçaria sob o olhar feminino, e do qual a diretora é idealizadora. As produções começam a ser exibidas no dia 29/3, quinta-feira, a partir das 21h, com os curtas Lila Monti, com a palhaça da Argentina, e Andrea Macera, de São Paulo (assista também em sesctv.org.br/aovivo). 
 
No curta Lila Monti, a artista argentina revela que sua personagem, a palhaça Una, possui todas suas qualidades e defeitos. "Eu sinto que a Una sou eu. Sou eu quando eu era aquela menina selvagem, que não tinha medo", comenta. Lila fala sobre a diferença entre palhaço e palhaça. Para ela, ambos buscam a mesma coisa: melhorar o mundo de uma forma inocente e provocadora, comunicando-se e trocando emoções com as pessoas. Porém, a artista acredita que a palhaça é mais adaptável e poética. Lila comenta ainda sobre o uso do nariz vermelho, que, segundo ela, está aliado a um forte desejo, é uma peça que tem o poder de esconder a timidez e a quietude de quem interpreta um palhaço. 
 
Já no episódio Andréa Macera, a palhaça diz que qualquer pessoa pode se identificar com a sua personagem Mafalda Mafalda. Para Andréa, Mafalda trata de temas ligados ao mundo da mulher, como alcoolismo, crimes e delegacia, mas que tendem a ser exclusivamente masculinos. "É um universo feminino mais trash, mais lado B, mas é feminino", esclarece. Andréa revela ainda o preconceito sofrido pelas mulheres de sua profissão que, antes, era considerada basicamente masculina.
 
Além desses filmes, a série Palhaças do Mundo ainda exibirá sempre a partir das 21h, em abril: Pepa Plana (Espanha) / Aline Moreno (SP), no dia12; Hilary Chaplain (EUA) / Cida Mendes (MG), no dia 19; e Eva Ribeiro(Portugal) / Manuela Castelo (DF), no dia 26; e em maio: Gabriela Muñoz (México) / Michele Silveira (SC), no dia 3; e Elke Maria Riedman (Austria) / Gena Leão (RN), no dia 10. 
 
Sobre a diretora: 
 
Manuela Castela Branco é formada em Artes Cênicas e mestranda em Poéticas Contemporâneas para a Cena pela Universidade Federal de Brasília com projeto sobre Palhaçaria e Ópera. É criadora da CiRcA Brasilina, o primeiro picadeiro feminino do Brasil, e recebeu o I Prêmio Igualdade de Gênero e Cultura do Distrito Federal, em 2017, pelo trabalho em palhaçaria feminina e pela promoção do protagonismo da mulher na arte. Atua há mais de 20 anos como a palhaça Matusquella.
 

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

“QUILOS MORTAIS” CHEGA À QUINTA TEMPORADA COM NOVAS HISTÓRIAS DE LUTA CONTRA OBESIDADE MÓRBIDA

INVESTIGADOR PARTICULAR FAMOSO POR SUAS ARTIMANHAS, BRIAN WOLFE RECONSTITUI CASOS DE SEU ARQUIVO EM SÉRIE INÉDITA

BIS estreia terceira temporada de "Versões" em 19 de julho