​Série documental inédita Palhaças do Mundo estreia no SescTV


 
A produção apresenta curtas-metragens que abordam o universo das mulheres palhaças, suas histórias e peculiaridades 

Andrea_Macera_2_Foto_Nossa_Produtora.jpg
Andréa Macera. Foto: Nossa Produtora.
 
O SescTV estreia a série documental Palhaças do Mundo, que aborda o universo das mulheres palhaças de diferentes países. Composta por 12 episódios – cada um com dois curtas-metragens e duração total de 20 minutos –, a série conta histórias de palhaças, seus personagens, inspirações, comicidade e individualidades. Os curtas têm direção de Manuela Castelo Branco, que também é palhaça, e foram gravados durante o Festival Palhaças do Mundo (antigo Encontro de Palhaças de Brasília), no Distrito Federal, realizado desde 2008, com o intuito de difundir a arte da palhaçaria sob o olhar feminino, e do qual a diretora é idealizadora. As produções começam a ser exibidas no dia 29/3, quinta-feira, a partir das 21h, com os curtas Lila Monti, com a palhaça da Argentina, e Andrea Macera, de São Paulo (assista também em sesctv.org.br/aovivo). 
 
No curta Lila Monti, a artista argentina revela que sua personagem, a palhaça Una, possui todas suas qualidades e defeitos. "Eu sinto que a Una sou eu. Sou eu quando eu era aquela menina selvagem, que não tinha medo", comenta. Lila fala sobre a diferença entre palhaço e palhaça. Para ela, ambos buscam a mesma coisa: melhorar o mundo de uma forma inocente e provocadora, comunicando-se e trocando emoções com as pessoas. Porém, a artista acredita que a palhaça é mais adaptável e poética. Lila comenta ainda sobre o uso do nariz vermelho, que, segundo ela, está aliado a um forte desejo, é uma peça que tem o poder de esconder a timidez e a quietude de quem interpreta um palhaço. 
 
Já no episódio Andréa Macera, a palhaça diz que qualquer pessoa pode se identificar com a sua personagem Mafalda Mafalda. Para Andréa, Mafalda trata de temas ligados ao mundo da mulher, como alcoolismo, crimes e delegacia, mas que tendem a ser exclusivamente masculinos. "É um universo feminino mais trash, mais lado B, mas é feminino", esclarece. Andréa revela ainda o preconceito sofrido pelas mulheres de sua profissão que, antes, era considerada basicamente masculina.
 
Além desses filmes, a série Palhaças do Mundo ainda exibirá sempre a partir das 21h, em abril: Pepa Plana (Espanha) / Aline Moreno (SP), no dia12; Hilary Chaplain (EUA) / Cida Mendes (MG), no dia 19; e Eva Ribeiro(Portugal) / Manuela Castelo (DF), no dia 26; e em maio: Gabriela Muñoz (México) / Michele Silveira (SC), no dia 3; e Elke Maria Riedman (Austria) / Gena Leão (RN), no dia 10. 
 
Sobre a diretora: 
 
Manuela Castela Branco é formada em Artes Cênicas e mestranda em Poéticas Contemporâneas para a Cena pela Universidade Federal de Brasília com projeto sobre Palhaçaria e Ópera. É criadora da CiRcA Brasilina, o primeiro picadeiro feminino do Brasil, e recebeu o I Prêmio Igualdade de Gênero e Cultura do Distrito Federal, em 2017, pelo trabalho em palhaçaria feminina e pela promoção do protagonismo da mulher na arte. Atua há mais de 20 anos como a palhaça Matusquella.
 

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

“QUILOS MORTAIS” CHEGA À QUINTA TEMPORADA COM NOVAS HISTÓRIAS DE LUTA CONTRA OBESIDADE MÓRBIDA

“Tá Na Hora do Café”: Mais Globosat estreia série sobre o universo do Café no Brasil

NZN lista os filmes mais aguardados de maio