A palhaçaria feminina é destaque no SescTV com a série Palhaças do Mundo

  
 
O canal exibe, no dia 12/4, às 21h, dois episódios inéditos, que mostram o universo das palhaças Pepa Plana, da Espanha, e Aline Moreno, de São Paulo


Curta: Pepa Plana. Foto: Manuela Castelo Branco e Fabiano Morari.


Curta: Aline Moreno. Foto: Manuela Castelo Branco e Fabiano Morari.
 
SescTV apresenta os curtas-metragensPepa Plana (Espanha) Aline Moreno (Brasil), no dia 12/04, quinta-feira, às 21h. Os episódios inéditos integram a série documental Palhaças no Mundo, que aborda o universo das mulheres palhaças de diferentes países (assista também emsesctv.org.br). Os filmes têm direção de Manuela Castelo Branco, que também é palhaça, e foram gravados durante oFestival Palhaças do Mundo (antigoEncontro de Palhaças de Brasília), no Distrito Federal, realizado desde 2008, com o intuito de difundir a arte da palhaçaria sob o olhar feminino, e do qual a diretora é idealizadora.
 
No curta Pepa Plana, a espanhola Pepa Plana Llort, revela que após atuar por 30 anos como atriz dramática, descobriu o quão maravilhoso e belo é o universo de fazer rir. Pepa eventualmente atua com aCia Payasos Sin Fronteiras, em zonas de conflitos e desastres naturais, locais onde dificilmente chegam espetáculos de palhaços. Segundo ela, os novos números concebidos por palhaças estão em discordância com o humor que tem sido feito até hoje historicamente, que trata a mulher como um objeto cômico. "Agora estamos, cada palhaça em seu universo, propondo coisas de verdade, rindo de situações próximas do real. Rindo com as mulheres e não das mulheres", explica a atriz.   
 
Reflexão semelhante tem a paulistanaAline Moreno. No episódio que recebe seu nome, ela também expõe as dificuldades em ser mulher e palhaça. Segundo Aline, criadora da palhaça Donatella, um dos obstáculos encontrados em sua profissão é o preconceito de gênero. "Só porque você é palhaça, as pessoas acreditam que não pode estar bonita durante uma apresentação", afirma. "Fui questionada por isso. Há uma falsa ideia de que o horrível deve ser ridicularizado para ser engraçado", completa. Em uma mala, a palhaça diz carregar mais que objetos para fazer rir: um bambolê, o figurino, água para fazer bolinhas de sabão, um apito, um par de meias, uma bolsa pequena com dois ovinhos usados para fazer percussão, flores e papéis. "Mas o que levo mesmo é o encontro com o outro. A palhaçaria me fez entender a importância da troca de experiências entre as pessoas, através de encontros verdadeiros", explica Aline.    
 
A série Palhaças do Mundo, composta por 12 episódios, cada um com dois curtas-metragens e duração total de 20 minutos, conta histórias de palhaças, seus personagens, inspirações, comicidade e individualidades, e as produções começaram a ser exibidas no mês de março. A série ainda exibirá, sempre a partir das 21h: Hilary Chaplain (EUA) /Cida Mendes (BRA), no dia 19/4; Eva Ribeiro (POR) / Manuela Castelo (BRA), no dia 26/4; Gabriela Muñoz (MEX) / Michele Silveira (BRA), no dia 3/5; e Elke Maria Riedman (Austria) / Gena Leão (BRA), no dia 10/5. 
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

“QUILOS MORTAIS” CHEGA À QUINTA TEMPORADA COM NOVAS HISTÓRIAS DE LUTA CONTRA OBESIDADE MÓRBIDA

INVESTIGADOR PARTICULAR FAMOSO POR SUAS ARTIMANHAS, BRIAN WOLFE RECONSTITUI CASOS DE SEU ARQUIVO EM SÉRIE INÉDITA

BIS estreia terceira temporada de "Versões" em 19 de julho