Documentário ‘Mineira Solitária’ faz uma narrativa da solidão expressa em cartas


 

Como tantas pessoas, de diversas cidades e países, uma mineira vai para São Paulo a trabalho, deixando para trás amigos e familiares. O ano era 1982. Sozinha na metrópole, ela tem a coragem de poucos: escreve um anúncio comovente em um jornal pedindo ajuda para "uma solidão que não sei definir, mas que me atormenta". Ao longo dos seis meses seguintes, quase 500 cartas chegariam à caixa postal mencionada na nota. Trinta e cinco anos depois, o documentário 'Mineira Solitária', da GloboNews, uma ideia original de Liliana Junger, com  roteiro e direção de Renata Baldi, revisita a história de Lúcia Ribeiro e de pessoas que responderam ao seu chamado. A primeira exibição será neste sábado, dia 7, às 16h30, no 'GloboNews Documentário'.

 

Entre pedidos de casamento, conselhos, cartas comoventes e dramáticas e ofertas religiosas estão relatos contundentes e atemporais sobre a solidão, que assume diversas formas : ora indesejada, ora por opção. "Eu colocava as cartas numa caixa de papelão e enfiava debaixo da cama. Só que não conseguia dormir, porque era o mesmo que dormir sobre um mundo de gente representado por elas", conta Lúcia em seu depoimento. As cartas são, nesta história, o elo principal entre personagens e suas vidas singulares e surpreendentes. "Quem gosta de escrever cartas está sempre procurando meios de escrevê-las. Você conversa com você primeiro e depois com o outro", conta Cosmo, um dos personagens garimpados pelo documentário, que já escreveu mais de 20 mil cartas.  

 

Depois de quase quatro décadas, o documentário revela os rostos por trás das cartas – todas guardadas até hoje - e o que cada um fez de sua solidão, incluindo ela mesma, hoje com 82 anos de idade. "Eu não tinha consciência do que era solidão. Solidão para mim era de pessoas, já que eu ficava muito sozinha em São Paulo. Mas em um determinado momento a solidão mudou de figura. Era solidão comigo mesma. Era eu comigo mesma", diz.

 

Ficha Técnica

 

Ideia original: Liliana Junger

Roteiro e direção: Renata Baldi

Imagens: Sandiego Fernandes e Henrique Picarelli

Produção Executiva e Pesquisa de Personagens: Antonia Martinho

Produção São Paulo: Henrique Picarelli

Edição e Finalização: Renata Baldi

Produção de Finalização: Olívia Renault

Trilha sonora original: Marion Lemonnier

Áudio: Carlos Macalim

 

Foto 1: Anúncio original publicado em 1982.

Foto 2: Mineira solitária

Foto 3: As cartas originais recebidas pela mineira

Crédito: Divulgação

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

“QUILOS MORTAIS” CHEGA À QUINTA TEMPORADA COM NOVAS HISTÓRIAS DE LUTA CONTRA OBESIDADE MÓRBIDA

“Tá Na Hora do Café”: Mais Globosat estreia série sobre o universo do Café no Brasil

NZN lista os filmes mais aguardados de maio