TV Escola lança projeto de realidade virtual no RioContentMarket


 

Plataforma oferece experiência virtual e educativa em passeios através das cidades brasileiras

 

  

Créditos: Divulgação TV Escola

A TV Escola lança primeiro projeto de realidade virtual da instituição, em seu estande no RioContentMarket, evento que acontece entre os dias 3 e 8 de abril, na Cidade das Artes, no Rio de Janeiro. Desenvolvida durante um ano pela Associação de Comunicação Educativa Roquette Pinto (ACERP) e alguns parceiros, o projeto piloto foi construído com uma experiência virtual imersiva na cidade do Rio de Janeiro. A plataforma, um aplicativo que roda junto ao celular e aos óculos de realidade virtual, tem navegação com ponto focal e passeia pela cidade através de cinco pontos históricos: Cristo Redentor, Praça Mauá – incluindo uma visão completa do painel do artista Kobra e o Museu do Amanhã –, Lapa, Quinta da Boa Vista e Praça Quinze, até a Ilha Fiscal.

O objetivo da instituição é criar um aplicativo que permite a experiência de um passeio virtual pelas cidades brasileiras, com imagens reais e áudio explicativo sobre os locais, suas histórias, a importância geográfica, dados arquitetônicos e fontes de conhecimento que interajam com o currículo escolar.  "É uma experiência educativa, divertida, inclusiva e que integra a característica multidisciplinar da educação", explica Caio Leboutte, Diretor de Tecnologia da ACERP/TV Escola.

            A experiência de viagem virtual ao Cristo Redentor leva o usuário à porta do Trem do Corcovado e o conduz dentro do vagão até a chegada à estátua. A partir desse marco do Rio, ele poderá visitar outros pontos como o Maracanã, a Lagoa Rodrigo de Freitas, o Jóquei Clube, a Baía da Guanabara e a orla de Copacabana. Já no centro da cidade, o trajeto permite a vivência virtual de um passeio no VLT (Veículo Leve sobre Trilhos), durante a visita à Praça Mauá.

O Rio de Janeiro é somente um ponto de partida e não conta com o patrocínio da prefeitura. A ideia é que, a partir desse piloto, secretarias de educação de prefeituras e estados comprem o projeto, busquem financiamento do Ministério da Educação, para adquirir óculos e celulares preconizados, e criem bibliotecas virtuais nas escolas.

O projeto abraça ainda a questão da acessibilidade. O aplicativo foi construído com verão em Libras também para as crianças, jovens e adultos com deficiência auditiva, oferecendo também para esse grupo, que compõe 2,5 milhões de brasileiros com surdez severa e profunda, uma experiência virtual completa. A plataforma virtual está preparada para suportar conteúdos educativos de realidade virtual de várias cidades e estados. E o foco do projeto, nesse momento, são as escolas públicas de todo o Brasil.  

"A nossa ideia para o futuro é ter uma plataforma que ofereça visitas virtuais a diversas localidades do país. A melhor forma de aprender é através da vivência. Como nem todas pessoas podem viajar pelo Brasil, o objetivo é oferecer estas experiências de forma virtual", conclui Leboutte.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

“QUILOS MORTAIS” CHEGA À QUINTA TEMPORADA COM NOVAS HISTÓRIAS DE LUTA CONTRA OBESIDADE MÓRBIDA

INVESTIGADOR PARTICULAR FAMOSO POR SUAS ARTIMANHAS, BRIAN WOLFE RECONSTITUI CASOS DE SEU ARQUIVO EM SÉRIE INÉDITA

BIS estreia terceira temporada de "Versões" em 19 de julho