​SescTV exibe A Dona da Voz - Angela Maria, um dia antes da cantora completar 90 anos

Sucessos, como Babalú e Tango pra Tereza são mesclados com depoimentos de Marília Pêra, Elza Soares, Célia, entre outras cantoras


Angela Maria. Foto: Renata Massetti.

Angela Maria não apenas participou da Era de Ouro do rádio brasileiro, decorrida nas décadas de 1930 e 1940, ela era uma exceção entre as cantoras da época. Nenhuma outra alcançava a potência de sua voz. Sentiam inveja, tentavam imitá-la. Mas em vão. Em homenagem à artista, intérprete de sucessos como Babalú, Tango pra Tereza, entre tantos outros, o SescTV exibe no dia 12 de maio, sábado, às 22h, o show A Dona da Voz – Angela Maria. A produção, que intercala um show de Angela com depoimentos de cantoras de peso da música nacional, vai ao ar um dia antes da Rainha do Rádio completar 90 anos de idade (assista também em www.sesctv.sescsp.org.br/aovivo).


O programa é resultado das gravações realizadas no show da cantora no teatro do Sesc Bom Retiro, em São Paulo, em 2013, junto às entrevistas com Marília Pêra, Fabiana Cozza, Elza Soares, Célia, Bluebell, Fafá de Belém, Simone Mazzer e Wanderléia. A direção para TV fica por conta de Daniela Cucchiarelli.

É consenso entre as entrevistadas para o programa que a voz, técnica e estilo de Angela Maria fazem dela uma cantora especial. Elza Soares admite: "todo mundo queria imitá-la. Eu também, mas minha voz é muito rouca. Ela é única". Também impressiona às intérpretes o modo como a artista sobe ao palco, ainda hoje: a imponência, a segurança e a beleza que ela provoca na plateia. "Ela tinha o perfil dela, de estar bem vestida, numa sala que tem uma composição de cores e móveis da época", ressalta Fabiana Cozza. Marília Pêra concorda: "eu me lembro dela muito bonita e arrumada, com aquelas roupas de tule, que era o sonho de nós, meninas".

O rádio, maior veículo de comunicação do país até a chegada da TV, em 1950, foi o meio que difundiu a arte de Angela Maria. Sucesso absoluto com o público, ela recebeu o título de Rainha do Rádio quatro vezes entre os anos de 1952 e 1956. Adiante, a fama e o talento passaram a influenciar as gerações seguintes. "Lembro da minha mãe ouvindo e cantando as músicas da Angela a plenos pulmões", conta Bluebell, que não poupa elogios à cantora.

Wanderléa também diz que Angela foi importante para seu desenvolvimento artístico. "Eu, quando era menina, querendo ser cantora, ouvia na rádio os sucessos dela", conta. Já Fafá de Belém se emociona ouvindo Angela Maria e destaca como a artista foi, à época, capaz de relembrar às outras intérpretes o valor do canto. "Ela ensina que o cantar é muito simples, contanto que você entre no estúdio ou suba no palco para cantar por pessoas e para pessoas. Acho que esse é o grande ensinamento dela", conclui Fafá.

No show, Angela Maria canta sucessos que marcaram a sua carreira, como Tango pra Tereza, de Jair Amorim e Evaldo Gouveia; Gente Humilde, de Garoto, Vinicius de Moraes e Chico de Buarque; Os Argonautas, de Caetano Veloso; Lábios de Mel, de Waldir Rocha; e Babalú, de Margarita Lecuona.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

“QUILOS MORTAIS” CHEGA À QUINTA TEMPORADA COM NOVAS HISTÓRIAS DE LUTA CONTRA OBESIDADE MÓRBIDA

INVESTIGADOR PARTICULAR FAMOSO POR SUAS ARTIMANHAS, BRIAN WOLFE RECONSTITUI CASOS DE SEU ARQUIVO EM SÉRIE INÉDITA

BIS estreia terceira temporada de "Versões" em 19 de julho