​‘Fato ou fake’ – veículos se unem para apurar notícias falsas

Globo, GloboNews e G1 se juntam a O Globo, Extra, Época, Valor e CBN

para alertar o público sobre informações duvidosas

 

Enfrentar a disseminação de informações falsas é um desafio em uma sociedade na qual bastam uma conexão de internet e um clique para compartilhar notícias, mensagens, vídeos e fotos. Entre centenas de conteúdos que recebemos diariamente, das mais diversas fontes, como identificar o que é verdade? Nesta segunda-feira, dia 30, Globo, GloboNews e G1 se unem a O Globo, Extra, Época, Valor e CBN para alertar o público sobre informações duvidosas disseminadas na internet ou pelo celular. O projeto "Fato ou Fake" vai conferir e esclarecer o que é real (fato) e o que é falso (fake).

Jornalistas dos oito veículos farão um monitoramento diário para identificar postagens e mensagens muito compartilhadas em redes sociais e por aplicativos como o Whatsapp. Ao juntar o trabalho de apuração das diversas redações, será possível verificar com mais rapidez um número maior de informações. Todos os veículos envolvidos poderão exibir, publicar ou transmitir matérias com o conteúdo das checagens feitas em conjunto. Para confrontar versões e impedir a difusão de rumores, serão conferidos selos de 'Fato', 'Fake' ou 'Não é Bem Assim' às mensagens e declarações.

Haverá ainda um "bot" (robô) no Facebook e no Twitter à disposição do público para responder se uma informação é fato ou fake, caso esta já tenha sido checada pelos jornalistas do projeto.

A equipe também vai checar discursos de políticos, mas o trabalho não se resumirá ao período eleitoral. 

Metodologia

Todos os dias, jornalistas do projeto vão monitorar as redes sociais, a internet e as sugestões enviadas pelo público. Ao constatar que uma mensagem foi muito compartilhada, vão investigar a fonte que deu origem à informação, verificar se as imagens apresentadas correspondem ao que é narrado e ouvir as pessoas citadas. Fontes oficiais, testemunhas e especialistas também poderão ajudar a esclarecer o que está escrito ou dito. O principal critério de checagem é a transparência, baseada em três pilares:

·         Transparência de fontes - O público saberá o caminho de apuração percorrido pelo jornalista. Para isso, todas as fontes consultadas (pessoas ou instituições) serão identificadas.

·         Transparência de metodologia - Estarão claros o critério de seleção da mensagem a ser checada, como ocorreu a apuração e o motivo de uma informação ser classificada como verdadeira ou falsa.

·         Transparência de correções - Caso haja alguma modificação na checagem, que comprometa sua publicação original, esta estará devidamente identificada.

Os títulos das checagens serão sempre claros, já destacando se a informação é verdadeira ou não. Os três selos de classificação também estarão em evidência, para evitar interpretações dúbias:

·         Fato - quando a informação checada é totalmente verídica e comprovada por meio de dados, datas, locais, pessoas envolvidas, fontes oficiais e especialistas.

·         Não é bem assim - quando a informação é parcialmente verdadeira, exagerada ou incompleta, e exige um esclarecimento ou uma maior contextualização para ser totalmente compreendida.

·         Fake - quando a informação não se basear  em fatos comprovados por meio de dados, datas, locais, pessoas envolvidas, fontes oficiais e especialistas.

 

Campanha

A campanha Duvide, que precedeu em uma semana o lançamento do projeto "Fato ou Fake", circulou, em filmes para a TV, anúncios impressos e spots de rádio, nos veículos que fazem parte do projeto, com um convite:  antes de compartilhar com amigos e familiares, questione as informações que recebe. Nos filmes, os efeitos manada e dominó, representados graficamente, mostram a propagação de uma história, só interrompida por alguém consciente que decide duvidar. O ruído na comunicação, tão típico das fake news, também é simbolizado em filme por linhas com efeitos de áudio, que se rompem depois que alguém duvida. Um grande ponto de interrogação surge no final, seguido pelo chamado: "Não Deixe o Fake Virar News", assinatura de todas as peças.

O compromisso com a verdade e o papel dos veículos de comunicação na mudança de comportamento da sociedade levam ao segundo momento da campanha, que também estreia nesta segunda-feira, dia 30. O objetivo é valorizar o jornalismo e mostrar como a profissão está a serviço de quem duvida, impedindo que notícias falsas virem notícia. O novo filme destaca as pesquisas de campo, o dia a dia da apuração jornalística, a investigação e todo esforço em busca do fato. As demais peças da campanha mostram a perigosa cadeia das fake news, com uma análise sobre assuntos que viralizam, movimentam as redes sociais e podem até destruir vidas.

Mais informações sobre o projeto "Fato ou Fake": https://g1.globo.com/fato-ou-fake/noticia/2018/07/30/g1-lanca-fato-ou-fake-novo-servico-de-checagem-de-conteudos-suspeitos.ghtml

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

​NOVA SAFRA DE “UMA MULHER DE PESO” NO TLC SEGUE WHITNEY THORE EM FASE CRÍTICA DA CARREIRA E NA VIDA PESSOAL

​EM SAFRA INÉDITA NO TLC, “OS BUSBYS + 5” VIAJAM A NOVA YORK E APOSTAM EM NOVO NEGÓCIO

Série Rotas do Ódio estará com acesso livre no Universal Channel Play nesta semana