TV Cultura estreia Brasil Toca Choro e é embalada pela cadência marcante da música brasileira



O principal lançamento original da emissora em 2018 explora, em 13 edições, o primeiro gênero urbano tipicamente nacional. O programa oferece seu début a um dos mestres do choro: Pixinguinha. Vai ao ar aos os domingos, a partir de 4 de novembro, às 11h, também no YouTube e no aplicativo Cultura Digital

 

São Paulo, 26 de outubro de 2018 – É na mistura de melodias da música clássica europeia, do jazz norte-americano e do ritmo africano tocado nos terreiros do Rio de Janeiro que se encontra o coração pulsante do choro. Originado na segunda metade do século XIX, ele encanta e emociona gerações há aproximadamente 150 anos. Pensando na importância do gênero para a construção da identidade brasileira, a TV Cultura lança o mais novo programa original da emissoraBrasil Toca Choro.A atração vai ao ar todos os domingos, a partir de 4 de novembroàs 11h, também no YouTube e no aplicativo Cultura Digital, com horário alternativo às terças-feiras, às 22h30.

 

Dirigido por Mauricio Valim, o programa dá continuidade ao legado e comprometimento da TV Cultura com a sonoridade, que já vem de longa data. Em 1974, a emissora produziu com o Conjunto Atlântico O Choro das Sextas-Feiras, que ganhou o Prêmio APCA. Desde então, também foram ao ar programas como A Noite do Choro e A Alegria do Choro.

 

O presidente da Fundação Padre Anchieta, Marcos Mendonça, um dos idealizadores do projeto, ressalta a importância de manter viva e presente a história do choro na cultura do País. "Esse é um gênero que está na alma do brasileiro. É muito forte. Ele mexe com o povo e continua jovem, continua sendo extremamente envolvente. Nós preparamos essa série para mostrar ao mundo a qualidade da música brasileira", disse ele no evento de lançamento do programa, que contou com a presença de grandes nomes do gênero e da música nacional em geral.

 

Henrique Araújo, bandolinista que integra a seleção de músicos que participaram do Brasil Toca Choro, comentou no evento de abertura sobre a importância do gênero estar presente na TV. "A geração mais nova, que veio das décadas de 80 e 90, não teve oportunidade de assistir a isso na televisão aberta. A gente ligava a TV e via uma programação que vinha de um outro lugar. Então, começar a assistir a isso a partir do dia 4 é muito importante para a gente e para os futuros [músicos] que irão vir", comenta. 

 

 

Brasil Toca Choro foi desde o início pensado em formatos que pudessem ultrapassar a TV. Com isso, a fotografia está mais próxima da estética do cinema do que da televisão, por exemplo. Além disso, com a participação de 126 músicos – dentre eles, Nelson Ayres, Mônica Salmazo, Yamandu Costa, Proveta, Toninho Carrasqueira, Oswaldinho do Acordeon, Toninho Ferragutti, André Mehmari, Fabiana Cozza, Thalma de Freitas, Izaías Bueno de Almeida, Hamilton de Holanda, Armandinho e Marcelo Pretto –, o programa destaca o som de cada instrumento e, dessa forma, possibilita ao telespectador perceber tudo o que está sendo executado e a sua importância para o resultado geral.

 

Composto por 13 programas temáticos de uma hora cada, o Brasil Toca Choro traça um panorama histórico do primeiro gênero da música urbana tipicamente brasileira, contando, para isso, com a participação dos mais virtuosos e criativos intérpretes do gênero. Dessa forma, diferentes gerações e estilos se encontram para trazer versões autênticas do choro. Com arranjos inéditos e múltiplas formações, eles vão do regional tradicional à Big Band.

 

A atração também recorda passagens significativas, curiosas e, por vezes, engraçadas sobre o gênero, por meio da presença da atriz Maria Bia: "eu faço uma contadora de histórias no programa. Eu conto causos sobre esses cantores, esses intérpretes do choro", explica ela. 

 

A série ainda conta com depoimentos de diversos músicos que construíram a trajetória surpreendente do gênero. Toninho Carrasqueira, flautista e expoente do estilo, por exemplo, afirma que o choro – tocado em rodas, "enquanto todos varavam a noite bebendo uma cachacinha" – nasceu com uma característica de inclusão, de confraternização. E é essa atmosfera de encontro que o programa busca transmitir a todos, participantes e espectadores. 

 

Desde a sua gênese até os dias de hoje, o choro passou por muitas fases: de Pixinguinha e Chiquinha Gonzaga a Altamiro Carrilho, de Ernesto Nazaré a Villa-Lobos, de Jacob do Bandolim a Hamilton de Holanda, de Valdir Azevedo a Armandinho. A partir de 4 de novembro, a arte consagrada por esses e outros grandes nomes pode ser vista todos os domingos, na TV Cultura. 

 

 

Em seu primeiro episódio, o programa faz uma homenagem ao pai dos chorões, Pixinguinha, que traduziu com a sua música um grande quinhão da alma brasileira. Na edição, o músico e compositor Maurício Carrilho comenta sobre a importância de Pixinguinha para o cenário musical do País. E para reforçar seu ponto, parafraseia o jornalista, crítico, historiador e musicólogo brasileiro Ary Vasconcelos: "se você tiver 16 livros para falar da música brasileira, vai ser pouco. Mas, se você tiver que resumir a música brasileira em uma palavra só, não tenha dúvida: Pixinguinha!". 

 

Ao longo do programa que vai ao ar no dia 4 de novembro, o público revive diversas composições, incluindo as inesquecíveis Lamentos e Carinhoso, interpretadas por importantes nomes do gênero, além de acompanhar depoimentos de personalidades como Spok, Hamilton de Holanda, Izaías Bueno de Almeida, Nelson Ayres e Toninho Carrasqueira, que contam causos vividos pelo grande nome do chorinho. 

 

 Repertório do primeiro programa:

Segura ele (Pixinguinha e Benedito Lacerda)
Intérpretes: Nailor Proveta/Alessandro Penezzi/Aquiles Moraes/Rafael Toledo

Lamentos (Pixinguinha)
Intérpretes: Leandro Tigrão/Nailor Proveta/Léo Maximo/Izaías Bueno de Almeida/Israel Bueno de Almeida/Getúlio Ribeiro/Allan Gaia Pio

Os Oito Batutas (Pixinguinha e Benedito Lacerda)
Intérpretes: Toninho Carrasqueira/Nailor Proveta/Mauricio Carrilho/Rafael Toledo/César Roversi

Ainda me recordo (Pixinguinha e Benedito Lacerda)
Intérpretes: Xeina Barros/Fabricio Rosil/Zé Barbeiro/Rodrigo Y Castro/César Roversi

Ingênuo (Pixinguinha e Benedito Lacerda)
Intérpretes: Leandro Tigrão/Nailor Proveta/Léo Maximo/Izaías Bueno de Almeida/Israel Bueno de Almeida/Getúlio Ribeiro/Allan Gaia Pio

Yaô (Pixinguinha e Gastão Vianna)
Intérpretes: Rafael Toledo/Douglas Alonso/Léo Rodrigues/Allan Abaddia/Marcelo Pretto/Enrique Menezes/Henrique Araújo/Gian Correa

Patrão, prenda seu gado (Pixinguinha, Donga e João da Bahiana)
Intérpretes: Rafael Toledo/Douglas Alonso/Léo Rodrigues/Allan Abaddia/Verônica Ferriani/Enrique Menezes/Henrique Araújo/Gian Correa

Rosa (Pixinguinha)
Intérpretes: Leandro Tigrão/Nailor Proveta/Léo Maximo/Izaías Bueno de Almeida/Israel Bueno de Almeida/Getúlio Ribeiro/Allan Gaia Pio

Um a Zero (Pixinguinha e Benedito Lacerda)
Intérpretes: Fábio Torres/Paulo Paulelli/Edu Ribeiro/Nailor Proveta/Hamilton de Holanda

Carinhoso (Pixinguinha e João de Barro)

Intérpretes: Fábio Torres/Paulo Paulelli/Edu Ribeiro/Nailor Proveta//Thalma de Freitas/Hamilton de Holanda 
 
 

 

Serviço

Estreia: 4 de novembro, às 11h

Exibição: Domingos, às 11h

Horário alternativo: Terças-feiras, às 22h30  


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

​NOVA SAFRA DE “UMA MULHER DE PESO” NO TLC SEGUE WHITNEY THORE EM FASE CRÍTICA DA CARREIRA E NA VIDA PESSOAL

​EM SAFRA INÉDITA NO TLC, “OS BUSBYS + 5” VIAJAM A NOVA YORK E APOSTAM EM NOVO NEGÓCIO

Série Rotas do Ódio estará com acesso livre no Universal Channel Play nesta semana