FILME SOBRE EDY STAR, UM DOS ARTISTAS MAIS INTENSOS DA CONTRACULTURA BRASILEIRA, ESTREIA NA TV


 

"Antes que me esqueçam, meu Nome é Edy Star" será exibido amanhã, dia 21, às 18h45, pelo canal por assinatura Music Box Brazil

 

Março de 2019 - Único remanescente da Grã-Ordem Kavernista, banda em que atuou com Raul Seixas, Mirian Batucada e Sergio Sampaio, no início dos anos 1970, o cantor, ator, dançarino e pintor Edy Star tem a sua história contada em filme. A estreia nacional é amanhã, dia 21, às 18h45, no canal de TV por assinatura Music Box Brazil.

 

Edivaldo Souza tornou-se Edy ainda na adolescência, quando iniciou carreira artística no programa "A Hora da Criança", na Bahia. Nos anos 1960, tornou-se amigo de um adolescente chamado Caetano Veloso e do roqueiro Raul Seixas. A amizade com Raul rendeu o mítico "Sociedade da Grã-Ordem Kavernista Apresenta Sessão das 10", único disco do quarteto, considerado um dos discos "mal ditos" da música brasileira. 

 

"Antes que me esqueçam, meu Nome é Edy Star" é um documentário que percorre os bastidores da gravação de 'Cabaré Star', atual álbum do artista, produzido por Zeca Baleiro, que também é o Diretor Musical do filme do Music Box Brazil. A narrativa é construída a partir de depoimentos do próprio Edy Star e de personagens que acompanharam a sua trajetória e do país nos anos considerados de "chumbo".

 

O filme foi selecionado na primeira edição do concurso cultural "Talentos Brasil", realizado em 2013 pelo grupo Têm Dendê e nasceu da ambição do diretor Fernando Moraes de contar parte das histórias de Edy. Durante as filmagens, eles até descobriram uma relação de parentesco até então desconhecida. "Queria prestar uma homenagem a um artista que fez bastante sucesso na noite carioca e, em certo ponto, no Brasil, e que andava esquecido", explica o diretor ressaltando que o resultado final "está acima do que esperava".

 

Realizado pela Têm Dendê Produções, o documentário tem roteiro assinado por Carollini Assis, direção de Fernando Moraes e direção de fotografia de Cláudio Antônio, e conta com depoimentos do cantor e compositor Caetano Veloso, das transformistas Rogéria, Claudia Celeste e Jane di Castro, além do diretor Rubens Lima Jr, do crítico musical Rodrigo Faour, e do cineasta João Carlos Rodrigues.

 

Ainda inédito no circuito comercial, o filme já recebeu o reconhecimento da crítica especializada. Foi finalista na 11ª edição do In-Edit Brasil – Festival Internacional do Documentário Musical, realizada em 2019 e esteve entre as produções selecionadas para o Festival MIMO de Cinema no mesmo ano. "Vendo o documentário e olhando para trás na minha vida posso ver que sou um sobrevivente. Fui um transgressor e consegui fazer a minha carreira mesmo sem ter defendido bandeira alguma, apenas vivido a minha vida", explica Edy que completa: "Fico contente e agradecido de terem feito esse filme e surpreso com os depoimentos. Revi amigos que não esperava ver no filme, senti falta de alguns outros... Agradeço de coração ao Fernando, diretor do filme, a Têm Dendê e aos amigos, mas acho tudo isso uma maluquice porque eu não fiz nada. Eu apenas vivi a minha vida do jeito que quis viver", ressalta Edy Star, com o seu jeito único.

 

SERVIÇO

DOCUMENTÁRIO "ANTES QUE ME ESQUEÇAM, MEU NOME É EDY STAR"

Canal por assinatura: Music Box Brazil

Quando: 21 de março, às 18h45

Duração: 52 min

Realização: Têm Dendê Produções

Direção geral: Fernando Moraes

Direção musical: Zeca Baleiro

Classificação indicativa: 12 anos

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RELACIONAMENTO EXPLOSIVO DE CHANTEL E PEDRO É TEMA DE SÉRIE INÉDITA NO TLC

TLC ESTREIA QUARTA TEMPORADA DE “OS BUSBYS + 5”

Pyong Lee fala do seu namoro atual e conta que já apanhou de namorada