NATIONAL GEOGRAPHIC APRESENTA AKASHINGA, UMCURTA-METRAGEM SOBRE UM GRUPO DE MULHERES AFRICANAS QUE LUTA CONTRA A CAÇA ILEGAL DE ELEFANTES

 

O documentário produzido por James Cameron, que irá ao ar no sábado, 05 de setembro, retrata uma força de segurança composta por mulheres vítimas de violência doméstica, em situação de pobreza e mães solteiras. Sua missão é proteger uma das maiores populações de elefantes do Zimbábue, na África.

 

 

No próximo sábado, 05 de setembro, a partir das 22h após a exibição de Rinocerontes Em Risco: Comércio de Chifres, o National Geographic mergulha nas profundezas da selva africana para apresentar Akashinga, um documentário de curta-metragem que revela a inspiradora história de uma unidade de mulheres do Zimbábue que está revolucionando a maneira de proteger uma das principais populações de elefantes do mundo.

A força de segurança Akashinga - que significa "As valentes" e foi criada pela Fundação Internacional Anti-Caça Ilegal (IAPF em inglês) - é composta por mulheres vítimas de violência doméstica, em situação de pobreza e mães solteiras. Elas encontraram neste grupo uma forma inovadora de se empoderar, transformar suas vidas e se conectar com as comunidades locais para combater o crime contra a fauna. Formadas em treinamento militar, as Akashinga demonstram dia a dia que a proteção das espécies e a administração da reserva onde atuam não é uma tarefa exclusivamente masculina. Embora seja um grupo armado, formado em treinamento militar, seu principal objetivo é que a comunidade entenda os benefícios econômicos de proteger as espécies animais, sem ter que recorrer à violência.

Ao empoderar as mulheres rurais, o programa Akashinga promove melhorias nos cuidados de saúde, desenvolvimento de habilidades, redução no abandono escolar, prevenção de crimes sexuais, aumento da expectativa de vida e diminuição das taxas de pobreza. Além disso, promove a sustentabilidade das comunidades por meio de emprego, educação e treinamento de seus integrantes.

Damien Mander, fundador da IAPF e ex-soldado das forças especiais dedicado por uma década ao treinamento de guardas florestais no Zimbábue, diz que sua experiência na vanguarda da luta contra a caça ilegal na África o ensinou que a comunidade desempenha um papel fundamental: " A população local tem um interesse especial em seu lugar de origem, sua casa. Estrangeiros, não ", garante. Além disso, no processo de recrutamento para Akashinga, ele aprendeu que as mulheres estavam mais bem preparadas para a tarefa. Não apenas descobriu que elas eram menos propensas a aceitar subornos de caçadores furtivos, mas também que eram mais hábeis em desarmar situações potencialmente violentas. "As mulheres podem mudar tudo", conclui.

Nyaradzo Hoto, membro do Akashinga, concorda com Mander: "Antes, todos aceitavam que os guarda-parques eram homens, mas quero mostrar que não existe trabalho que seja só masculino. O céu é o limite". Desde que ingressou na Força, Hoto conseguiu retomar os estudos e hoje é estudante universitária em regime de meio período. Além disso, ele conseguiu comprar um terreno em sua comunidade.

Até o momento, este modelo de conservacionismo feminino liderado pela comunidade tem mais de 200 integrantes espalhadas em mais de 186 mil hectares de reserva. De acordo com números da IAPF, por meio do projeto Akashinga a caça ilegal foi reduzida em 80% e a vida selvagem cresceu 350%.

Com produção executiva do renomado cineasta James Cameron e direção de Maria Wilhelm, Akashinga convida o público a testemunhar uma experiência única de celebração, conservação e pensamento não ortodoxo que está transformando o mundo de uma maneira sem precedentes.

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RELACIONAMENTO EXPLOSIVO DE CHANTEL E PEDRO É TEMA DE SÉRIE INÉDITA NO TLC

TLC ESTREIA QUARTA TEMPORADA DE “OS BUSBYS + 5”

Pyong Lee fala do seu namoro atual e conta que já apanhou de namorada