Série explora o interior dos cortiços de São Paulo


 
Episódio inédito de Habitar Habitat esclarece o conceito de cortiço, mostra seu temperamento coletivo e alerta para sua precariedade


Francisco, morador do cortiço 13 de Maio. Foto:Divulgação Habitar Habitat.
 
 
O cortiço tornou-se um tipo de moradia conhecido pelos brasileiros na descrição do romance homônimo de Aluísio Azevedo, publicado em 1890. Um século transcorreu, e os diretores Paulo Markun e Sergio Roizenblitz decidiram investigar como essas habitações têm resistido atualmente. O episódio Cortiço, da segunda temporada da série Habitar Habitat, se propôs a mergulhar nesse novo retrato. O SescTV estreia a produção no dia 16/01, terça-feira, às 22h (assista também pela internet em sesctv.org.br/aovivo).
 
Autor de estudos sobre a recuperação de cortiços, o arquiteto Afonso Lopez explica que, em 1991, a Lei Moura estabeleceu para o município de São Paulo o conceito desse tipo de habitação: trata-se de um lote urbano com muitas edificações, compartilhado entre famílias e cujos cômodos assumem várias funções. "Em um cômodo você dorme, você cozinha e você tem sua sala de estar", exemplifica Afonso.
 
O arquiteto relata que há uma abundância de cortiços no centro de São Paulo e comenta que seu morador padrão é o ambulante. A condição desses trabalhadores informais prevê uma barreira, porque "eles não têm trabalho registrado, que comprove renda para alugar uma casa", explica a educadora Maria dos Anjos. A serviço do Centro Gaspar García de Direitos Humanos, ela trabalha para auxiliar os moradores de cortiços a aprimorar esses espaços, sugerindo-lhes dicas e garantindo-lhes uma condição de vida razoável.
 
O episódio de Habitar Habitat mostra que muitas famílias, para evitar um aluguel caro, acabam preferindo comprar o cortiço. Pagam pouco por uma infraestrutura desgastada. Mas, com o tempo, eles mesmos, se esforçam para reformá-la e melhorá-la. É o caso de Francisco, 34, morador do cortiço 13 de maio. Há 15 anos, ele comprou um terreno abandonado por R$ 200, à época de quando ainda servia como ponto de drogas. Hoje, após investir R$ 50 mil, garante, a propriedade vale R$ 150 mil. "Eu não vejo mais como cortiço, hoje vejo como um condomínio", diz.
 
A característica central de um cortiço, para o bem e para o mal, é a coletividade. Como os moradores precisam viver em conjunto, dividem custos e investimentos, definem regras de convívio, fazem mutirão de limpeza; ajudam-se, vivem em comunidade. Mas há exceção a toda regra. Tatiane Moreira, 32, moradora do cortiço Canindé, na cidade de São Paulo, conta que, quando o tanque de lá entope, apenas ela se propõe a desentupi-lo. "Quando você pede ajuda, reclamam. É difícil, um espera pelo outro", se queixa.
 
O episódio ainda revela como é comum aos moradores de cortiços presenciarem as disputas judiciais travadas com os proprietários e que tratam da possibilidade deles se efetivarem no imóvel, a partir de uma ação de usucapião. Também residindo no cortiço Canindé, Cristiana Pereira – a "Índia" – apavora-se com essa incerteza: "Agora a gente está aqui, mas não é seguro, estamos prestes a perder a moradia. Você está sem trabalho e sem dinheiro, se perder o único lugar que tem para morar, vai fazer o quê?".
 
Lançada pelo SescTV em novembro de 2017, a segunda temporada da série Habitar Habitat apresenta, em linguagem documental, diferentes modos de morar no país e suas relações com a cultura. Ela examina o conceito de moradia não apenas como espaço físico, mas também como núcleo de convivências, afetos e deslocamentos. Os treze episódios, de 52 minutos, retratam a vida em quilombos, assentamentos, ocupações, asilos, cortiços e internatos; e ainda registram o cotidiano de refugiados, ciganos, moradores de comunidades alternativas, motorhomes, faróis e veleiros.
 
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

“QUILOS MORTAIS” CHEGA À QUINTA TEMPORADA COM NOVAS HISTÓRIAS DE LUTA CONTRA OBESIDADE MÓRBIDA

INVESTIGADOR PARTICULAR FAMOSO POR SUAS ARTIMANHAS, BRIAN WOLFE RECONSTITUI CASOS DE SEU ARQUIVO EM SÉRIE INÉDITA

BIS estreia terceira temporada de "Versões" em 19 de julho