Galeria Mario Cohen recebe Walter Firmo em "Um Passeio Pela Nobreza" com registros de 60 anos de carreira


Em 60 anos, o fotógrafo Walter Firmo se tornou referência internacional por seu olhar poético que dá voz à cultura negra, entre subúrbios e artistas, mostrado na exposição "Um Passeio Pela Nobreza"

No dia 19 de outubro de 2017, a Galeria Mario Cohen, uma das primeiras dedicada à fotografia no Brasil, recebe a exposição "Um Passeio Pela Nobreza", assinada por Walter Firmo (80), considerado nome fundamental na história da fotografia brasileira, com abertura para convidados, a partir das 19h, que acontece na galeria, localizada na Rua Joaquim Antunes, n° 177, em Pinheiros, São Paulo. O período expositivo é de 20/10 a 18/11.

São expostas 14 fotos, entre elas, registros de artistas como Cartola, na Marquês de Sapucaí (16x23cm); Cartola e amigos, na GRES Mangueira (16x23cm); Cartola e Dona Zica, na GRES Mangueira (23x15cm); Chico Buarque, em Copacabana (15x23cm); Clementina de Jesus, na Quinta da Boa Vista (16x23cm); Clementina de Jesus, no Grajaú (15x23cm) e Clementina de Jesus, no palco (15x23cm); Dona Ivone Lara, em Bonsucesso (23x15cm); Dona Zica e Pixinguinha, em Ramos (2 fotos – 15x23cm e 17x23cm); Madame Satã (23x16cm); e Moreira da Silva, em Rio Comprido (16x23cm). O público colecionador pode adquirir uma caixa com seis imagens de 23x18cm, cada uma com tiragem de apenas 10 cópias.

Walter Firmo, reconhecido pelo principal tema de seu trabalho - a figura humana - revela tradições e culturas por meio de contrastes e cores saturadas. Mostra seu peculiar interesse por cenas e personagens que estão longe dos holofotes, nos subúrbios. Equilibra a história de cada personagem com a mesma exuberância. Em seu trabalho, a beleza de moradores de subúrbios, menos favorecidos, em situações cotidianas, é a mesma de artistas consagrados como Clementina de Jesus, Chico Buarque, Djavan, Fafá de Belém e Tim Maia, das gravadoras RCA e Odeon, fotografados por Firmo nas décadas de 1970 e 1980. Imerso no berço do samba e da MPB, Walter Firmo tornou o povo, principalmente o brasileiro, protagonista da poesia encontrada nos momentos simples. Seu trabalho, reconhecido nacionalmente, do Rio a Bahia, e até internacionalmente, por seus registros em Havana, Cuba, e outros países, é referência e inspiração para nomes importantes da área, como o fotógrafo Bob Wolfenson.

"Suas fotografias não falam de fotografias, não têm efeitos mirabolantes, nem filigranas de estilo, vão direto ao assunto. São um libelo contra a pressa e a vulgaridade. Guiados por seu olhar singular e delicado, revisitamos um Brasil mítico que parece não existir mais. Suas imagens nos convidam a passear pela nobreza e elegância da cultura negra.", afirma. Seja no olhar para os sorrisos e fantasias nos bastidores do carnaval carioca ou para os costumes de um povo que vive sob um sistema socialista, o fotógrafo transmite a sua mensagem. "A função de uma fotografia é sobretudo educar, levando ao espectador algo novo. O ato de ver uma fotografia será sempre o do conhecimento.", reforça Walter Firmo.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

REPÓRTER POLICIAL REVELA INFORMAÇÕES EXCLUSIVAS SOBRE CASOS DE GRANDE REPERCUSSÃO

Gloob lança mais uma maratona Gloob Duni Tê

“QUILOS MORTAIS” CHEGA À QUINTA TEMPORADA COM NOVAS HISTÓRIAS DE LUTA CONTRA OBESIDADE MÓRBIDA