Curta! abre alas para a história de Chiquinha Gonzaga sob olhar feminino

A compositora, instrumentista e maestrina Chiquinha Gonzaga (Crédito: Divulgação/Curta!)

 

Às vésperas do carnaval, o Curta! e o streaming CurtaOn – Clube de Documentários trazem a produção inédita "Chiquinha Gonzaga – Música Substantivo Feminino", sobre a instrumentista, maestrina e compositora pioneira entre as mulheres na música brasileira. Para contar sua história, o filme convida historiadoras, filósofas, escritoras, musicistas e outras especialistas, todas mulheres. As canções de Chiquinha são apresentadas pelo Grupo Chora – Mulheres na Roda.
 

Da parte de sua mãe, Chiquinha era neta de uma escravizada alforriada, enquanto seu pai era um militar de alta patente do Exército Imperial Brasileiro. Diferente de muitas mulheres de seu tempo, teve acesso ao letramento e à erudição das elites da época. Ainda jovem, foi presenteada com um piano — instrumento frequentemente destinado às moças, por não ser possível carregá-lo para apresentações fora do ambiente doméstico.
 

Ainda jovem, casou-se com um comandante da Marinha Mercante. O marido esperava que o casamento fosse afastá-la de sua dedicação à música, o que não aconteceu. O casal viveu uma relação conturbada, até que Chiquinha deixa o marido e é renegada por sua família, que a impede de criar os três filhos nascidos da relação.
 

Apesar das dificuldades diante dessa separação forçada, Chiquinha se torna uma mulher livre. "Esse desejo de liberdade de Chiquinha Gonzaga acompanha toda a vida dela. Ela se liberta do marido e vai se libertando de todo tipo de grilhão", conta Edinha Diniz, biógrafa da artista. O momento era de ebulição social em uma sociedade que vivia diversas transformações no fim do século XIX. Nascia, então, uma efervescente vida noturna na cidade e uma crescente demanda por profissionais da música — e Chiquinha precisava encontrar formas de se sustentar financeiramente, além de dar aulas de piano.
 

Passa, então, a circular pelos meios boêmios do Rio de Janeiro, conhece pessoas diversas, se apresenta em casas noturnas, vende suas próprias canções e passa a compor para peças de teatro. Convive também com ex-escravizados e, com eles, aprende uma musicalidade bem diferente dos clássicos europeus. Daí nasce a riqueza de sua obra, que reúne sua erudição com o que era produzido na música popular da época, como polcas, maxixes e marchas-rancho — inclusive a famosa "Ó Abre Alas", a primeira canção carnavalesca brasileira que, até hoje, é bastante entoada por blocos de carnaval e foliões. No entanto, por vir de uma família com recursos, conseguia transitar também entre a elite cultural e política carioca da época.
 

O documentário traz também o debate racial, baseado no fato de que a historiografia oficial parece ter "embranquecido" Chiquinha e ignorado suas raízes negras. "Ela tinha a experiência materna e a experiência da escravidão muito próximas, e por isso sua negritude precisa ser reivindicada. Quando ela se junta com outros intelectuais, com outros artistas, pensando a questão da escravidão negra, isso também empretece seu pensamento; quando ela se aproxima dos lundus, das músicas das ruas, isso empretece sua musicalidade, isso empretece Chiquinha", analisa a socióloga Carolina Alves.
 

Além da luta abolicionista e por sua própria liberdade, Chiquinha — já consagrada como artista — criou a primeira entidade de proteção aos direitos autorais de compositores teatrais, a SBAT (Sociedade Brasileira de Autores Teatrais), abrindo portas para que outras mulheres pudessem registrar suas próprias obras musicais.

Chiquinha optou por ser livre em uma sociedade na qual as mulheres estavam destinadas a desempenhar os papéis de mãe e esposa, mas não de artistas independentes. Curiosamente, hoje é considerada a "mãe" da música popular brasileira.
 

"Chiquinha Gonzaga – Música Substantivo Feminino" é uma produção da Cinegroup viabilizada pelo Curta! através do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA). O filme também pode ser assistido no CurtaOn – Clube de Documentários, streaming disponível no Prime Video Channels – da Amazon -, na Claro TV+ e no site oficial da plataforma (CurtaOn܂com܂br). A estreia no Curta! é no dia temático Segundas da Música, 05 de fevereiro, às 23h.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SexPrivé Club: Nova apresentadora

Cine Gloob apresenta mais de 40 filmes no mês de Maio

Filha do cantor Ritchie apresenta nova temporada do programa NOIA no canal Woohoo