G1 celebra 15 anos com debate sobre o futuro da comunicação

Globo Principal


Evento virtual teve a participação de Marcelo Adnet, Jaqueline Weigel, Pablo Ortellado e Isabela Kalil
O isolamento social decorrente da pandemia da COVID-19 transformou muitos hábitos, entre eles a maneira como as pessoas se relacionam com a internet. Hoje 66% dos usuários têm nos portais de notícias sua principal fonte de informação. É o que apontam as pesquisas realizadas pelo g1, que realizou na manhã de hoje, dia 28, um evento virtual para celebrar seus 15 anos de história. O evento reuniu especialistas para debater a relação entre as notícias e as marcas, a importância do combate às fakes news e o futuro da comunicação. Entre eles, o humorista Marcelo Adnet, a futurista Jaqueline Weigel, o professor Pablo Ortellado e a antropóloga Isabela Kalil. Também participaram a jornalista Renata Lo Prete; o diretor de Jornalismo da Globo, Ali Kamel; Manzar Feres, Diretora de Negócios Integrados em Publicidade da Globo; Sergio Maria, Diretor de Produtos Publicitários Digitais; Renato Franzini, diretor editorial do g1; e Marcia Menezes, head de produto digital.   
  
Correção, agilidade e capilaridade foram citados por Ali Kamel como os três fatores que levam o g1 a estar tantos anos na liderança de seu segmento, sendo o site de notícias mais acessado do Brasil desde 2008. Com 121 emissoras afiliadas ao redor do país, o trabalho coletivo de levantamento e apuração de notícias se torna cada vez mais potente. A linguagem acessível e o engajamento nas redes sociais também são destaques entre suas mais de 150 publicações diárias e cerca de 11 milhões de seguidores no Facebook e 6.6 milhões no Instagram. A capacidade de inovação e a multiplicidade de formatos ajudam o g1 a se aproximar do público jovem, como destacou  Renata Lo Prete durante o evento. "Não é que esse público não se informe, ele tem outras maneiras de se informar. Eu participo dessa discussão há muitos anos e chegar no (podcast) 'O Assunto' e descobrir no dia a dia que ele é ouvido por estudantes, por pessoas que vão fazer a primeira entrevista de emprego, pelos meus filhos e amigos deles, dá uma ideia de sustentabilidade e de futuro para o nosso ofício e para os negócios que a gente faz parte", celebrou. Há dois anos no ar, o podcast 'O Assunto' alcançou a marca de 63,5 milhões de downloads.   
  
Além do recém-lançado canal no Youtube, o g1 estreia também novas editorias. "Nós temos desenvolvido novos formatos, principalmente em vídeo, pensando em acompanhar a jornada desse público novo, que cada vez mais consome o jornalismo, se interessa e usa o g1 como referência", comenta Sergio Maria, Diretor de Produtos Publicitários Digitais. E foi com base em pesquisas que se constatou que o público também busca a internet como meio de desenvolver conhecimentos. "Ele busca aprender novos assuntos, quer saber o que os amigos estão falando, o que as pessoas estão comentando nas redes sociais. Então a gente organizou isso em novas editorias", explicou a head de produto digital Marcia Menezes. As novas editorias têm foco em conteúdos de inovação, empreendedorismo e meio-ambiente.   
  
Especialistas e convidados debatem a importância do combate às notícias falsas 
  
Em um contexto de disseminação de conteúdos falsos, o jornalismo profissional se vê ainda mais desafiado em informar o público com imparcialidade e isenção. Segundo o antropólogo Pablo Ortellado, existem duas novas características na desinformação. "A primeira é que a distribuição dessa informação falsa não acontece mais por veículos de massa, mas pelas redes sociais. E, assim, o público passa a ter participação nessa distribuição. E a segunda é que a desinformação está misturando a opinião com notícia. Ela tem um formato noticioso". Foi com base nesse cenário que o g1 criou a editoria 'Fato ou Fake', em 2018, responsável por apurar notícias e apoiar o público na missão de consumir informação de qualidade. O apresentador e humorista Marcelo Adnet trouxe exemplos para instigar o público a descobrir o que é verdade ou mentira nas notícias que já circularam ao longo dos últimos 15 anos.   
  
O evento foi encerrado pela futurista Jaqueline Wegel, que trouxe uma linha do tempo sobre as transformações que já aconteceram e as que estão por vir. Segundo ela, a riqueza do novo mundo está ligada à ética e à sustentabilidade. E, na próxima década, teremos o surgimento de uma nova tecnologia, com a evolução da inteligência artificial e das máquinas conscientes. "Nós entraremos na Era da Pós-Informação, onde a informação não será mais domínio de ninguém. Seremos uma sociedade conectada, com sistemas muito inteligentes. Muita gente diz que o futuro da mídia está ligado a dados. Eu acredito que está ligado a conectar o planeta com informações confiáveis e com o futuro que tanto desejamos. A educação vem se transformando, os negócios vêm se transformando e o que quer o novo cidadão planetário? Liberdade, oportunidade, tempo livre, informação precisa, bons negócios, impacto social e boa liderança", concluiu.   
 
Clique aqui para conferir tudo o que rolou no evento em celebração aos 15 anos do g1. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fenômeno nas redes sociais, Maru Karv estreia como apresentadora no “Manda Nudes”

Lifetime Movies: A História de Chris Porco resgata caso de filho que matou o pai e desfigurou a mãe

SexPrivé apresenta ‘ménage à trois ao vivo’ em feira virtual de negócios do mercado adulto