Canal Arte1 estreia os documentários “Todos Migram” e “Beethoven É Pop”

 

Canal Arte1 celebra o centenário de João Cabral de Melo Neto e mostra os diálogos da
obra de Ludwig Van Beethoven com diferentes gêneros musicais e artísticos   

 

Elias Andreato faz leitura em "Todos Migram" (Foto: Divulgação)

 

O Arte1 tem duas estreias bem especiais de produções originais reservadas para este mês. Nesta quarta (9 de dezembro), às 18h, o canal apresenta um documentário em homenagem ao poeta pernambucano João Cabral de Melo Neto (1920-1999), intitulado "Todos Migram – A Travessia na Obra de João Cabral de Melo Neto". Depois, às vésperas do Natal, no dia 23 de dezembro, também às 18h, entra em cartaz o documentário "Beethoven É Pop", sobre a influência do compositor alemão em diversos gêneros musicais e artísticos. 

Em "Todos Migram", escritores, atores, músicos e cineastas homenageiam o poeta pernambucano por meio de leituras, depoimentos e interpretações exclusivas para o canal Arte1. 

O escritor Marcelino Freire e o músico José Paes de Lira, o Lirinha (vocalista da banda Cordel do Fogo Encantado), conectam a questão social dos retirantes de "Morte e Vida Severina" com as questões atuais, como a luta pela moradia e os movimentos culturais da periferia.

Escrito em 1954 e publicado em 1955, o poema "Morte e Vida Severina" alcançou um novo patamar ao ser levado aos palcos do TUCA (PUC-SP), em 1965. À revelia do poeta, que não gostava de música, Chico Buarque compôs a trilha do espetáculo. 

A atriz Ana Lúcia Torre, que integrou a montagem histórica da peça, relembra o processo criativo do espetáculo e da turnê pela Europa, acompanhada de Chico e do próprio João Cabral.

A montagem do TUCA inspirou, ainda, o filme homônimo do cineasta Zelito Viana, de 1977. Em "Todos Migram", o diretor conta que foi por sugestão do próprio João Cabral que uniu o poema "O Rio" à peça "Morte e Vida Severina" para criar o longa com Elba Ramalho, José Dumont, Stênio Garcia e Tânia Alves no elenco.

Já o ator e diretor de teatro Elias Andreato prepara uma nova versão da peça, prevista para ser encenada após a pandemia do coronavírus no palco do TUCA, em São Paulo, onde interpretou versos do poeta para o canal Arte1.

 

 

Andreas Kisser comenta a releitura metaleira da Nona Sinfonia que fez na faixa "Ludwig Van", presente no disco "A-Lex", de 2009 (Foto: Divulgação)

 

No dia 23 de dezembro, será a vez de conferir o documentário "Beethoven É Pop". A produção mostra os diálogos da obra de Ludwig Van Beethoven (1770-1827) com diversos gêneros musicais e artísticos: do heavy metal à popular trilha sonora da venda do gás de cozinha, passando pelo brega-funk, artes visuais e dança. 

Andreas Kisser, guitarrista da banda de metal Sepultura, participa da produção revelando as relações entre a música clássica e o rock extremo. Para ele, "Beethoven poderia ser considerado um headbanger" —termo usado para designar os fãs do estilo musical —tanto pela atitude rebelde quanto pelo peso de suas composições. Na mesma linha de pensamento, o maestro da Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo Roberto Minczuk afirma que o compositor de Bonn pode ser tido ainda como o primeiro roqueiro da história da música pela intensidade registrada em sua obra.

Assim como eles, outros especialistas e personagens traçam paralelos inusitados, caso do produtor de brega-funk do Recife, JS O Mão de Ouro, que remixou a Quinta e a Nona Sinfonia para fazer "a galera dançar com Beethoven essas músicas mais antigas" --como ele mesmo conta--, ou, do entregador de gás Marlos Oliveira de Souza que revela a história por trás da célebre "Für Elise", tocada no carro que ele vende gás de cozinha há mais de dez anos, e como a composição o impacta pessoalmente. 

Entre esses e outros entrevistados, o musicólogo, compositor e professor da Faculdade Santa Marcelina, em São Paulo, Sergio Molina fundamenta o caráter universal e futurista da obra de Beethoven: "Ele era um compositor que apontava para o futuro, e como eu imagino, nós estejamos no futuro de Beethoven, parece que o pensamento e as ferramentas dele caem como uma luva para a atuação independente que seja na música clássica".

O documentário também conta com depoimentos do artista visual Fabio Cardoso e da coreógrafa e bailarina Deborah Colker, entre outros.

 

 

 

"Todos Migram – A Travessia Na Obra De João Cabral De Melo Neto"
Nesta quarta-feira, 9 de dezembro, às 18h
Reprises: 12/12, às 18h; 13/12, às 7h; 14/12, às 19h; e 15/12, às 13h (reapresentação de 14/12 sujeita a alteração)

 

"Beethoven é Pop"
Quarta-feira, 23 de dezembro, às 18h
Reprises: 26/12, às 18h; 27/12, às7h; 28/12, às 19h, 29/12, às 13h (reapresentação de 28/12 sujeita a alteração)

 

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fenômeno nas redes sociais, Maru Karv estreia como apresentadora no “Manda Nudes”

RELACIONAMENTO EXPLOSIVO DE CHANTEL E PEDRO É TEMA DE SÉRIE INÉDITA NO TLC

SÉRIE INÉDITA DO TLC ACOMPANHA CASAIS QUE COMEÇARAM SUAS HISTÓRIAS DE AMOR DENTRO DA CADEIA