KING KONG EN ASUNCIÓN estreia nos cinemas dia 02 de setembro



Longa de CAMILO CAVALCANTE foi amplamente premiado no Festival de Gramado e no Los Angeles Film Festival



Instagram: @kingkongasuncion

Twitter: @kkongasuncion


KING KONG EN ASUNCIÓN é um road movie que se propõe a ser uma obra viva, trafegando pelo universo híbrido de linguagem entre o documental e o ficcional, revelando a geografia humana da Bolívia e do Paraguay, únicos países da América do Sul que não tem acesso ao mar. Realizado com baixo orçamento, o filme teve uma intensa cooperação entre técnicos, artistas e profissionais do Brasil, da Bolívia, do Paraguay e da Argentina. Segundo o diretor Camilo Cavalcanti, "este formato de cooperação aboliu as fronteiras e fomentou o olhar crítico para evidenciar o quanto temos em comum na história política e social latino-americana, cujo enredo foi construído de uma forma economicamente perversa e injusta."

O texto que pontua a narrativa, acrescentando elementos importantes para a dramaturgia, foi escrito por Natália Borges Polesso (vencedora do prêmio Jabuti, 2016) e é interpretado por Ana Ivanova (atriz de Las Herederas - Melhor filme em Berlim, 2018). "Essa narração é constituída por uma voz onisciente, em Guarany, que conhece os pormenores da existência do protagonista, e por isso introduz comentários minuciosos, além de destilar sentimentos recônditos. A camada literária amplia as possibilidades de interpretação das imagens a partir da ressignificação de elementos e eventos, constituindo uma espécie de dança entre o pictórico e a palavra. O filme caminha em direção a um tom poético como uma fábula para adultos", completa o diretor, que assina também o roteiro e a produção do longa.


Sinopse

Um velho matador de aluguel está escondido no interior da Bolívia, na região desértica do Salar de Uyuni. Acabou de cometer o seu último assassinato. Após meses isolado, ele viaja para o interior do Paraguay onde recebe uma boa recompensa e segue para Asunción com o objetivo de encontrar a sua única filha, a qual nunca conheceu. Esta viagem por dentro de si mesmo, seguido apenas por sua fiel companheira, a morte, acaba despertando instintos primários no velho matador, que explode em fúria e desespero pelas ruas da capital paraguaia em busca de afeto, como o King Kong aturdido em New York.


Camilo Cavalcante | Direção

Camilo Cavalcante nasceu em Recife. É mestre em Cinema pela Universidade da Beira Interior (Portugal) e graduado em Jornalismo pela Universidade Federal de Pernambuco. Também participou da oficina de Roteiro Cinematográfico na Escuela Internacional de Cine y TV de San António de Los Baños (Cuba). É roteirista, diretor e produtor de 14 curtas-metragens, entre os quais Hambre Hombre (1997); Os Dois Velhinhos (1997); Leviatã (1999); Matarás (1999); Alma Cega (1998); Amorte (1999); Ave Maria Ou Mãe Dos Oprimidos (2003); O Velho, O Mar E O Lago (2000); A História Da Eternidade (2003); Rapsódia Para Um Homem Comum (2005); O Presidente Dos Estados Unidos (2007); Ave Maria Ou Mãe Dos Sertanejos (2009) e My Way (2010). Ao todo, estas produções receberam mais de 130 prêmios em mostras e festivais de audiovisual. Dirigiu, em parceria com Cláudio Assis, o documentário Eu Vou De Volta (2007), com incentivo do Programa Rumos, promovido pelo Itaú Cultural. Para teatro, dirigiu o monólogo O Cão Sem Plumas (2009), do poema de João Cabral de Melo Neto. Roteirizou e dirigiu a série para TV Luz Do Sertão - 100 Anos De Luiz Gonzaga, exibida em 2013 pela REDE GLOBO NE. Criou, produziu e dirigiu duas temporadas da série OLHAR, exibida pelo Canal Brasil, TV Pernambuco, Tv Universitária, TVE Bahia e TVT. Também roteirizou e dirigiu as séries documentais Índios No Brasil (2017) e Anjos Humanos (2018), exibidas na rede pública nacional de emissoras de televisão. É um dos diretores do documentário 5 Vezes Chico - O Velho E Sua Gente (2016) exibido pela Globo News. Produziu e Dirigiu a instalação RETRATOS, em exposição permanente no Cais do Sertão, em Recife. Em 2014, estreou o seu primeiro longa-metragem no International Film Festival Rotterdam, A História Da Eternidade, que recebeu 28 prêmios em festivais nacionais e internacionais de cinema e cujo o roteiro original foi publicado em livro pela CEPE - Companhia Editora de Pernambuco em 2020.


PRÊMIOS

48º Festival de Cinema de Gramado

Melhor Filme | Júri Oficial; Melhor Filme | Publico; Melhor Ator | Andrade Júnior; Melhor Trilha Sonora

Los Angeles Brazilian Film Festival - LABRFF:

Melhor Diretor, para Camilo Cavalcante; Melhor Filme, Melhor Ator (in memorian) para Andrade Junior


KING KONG EM ASUNCIÓN

Brasil, 2020, 90 min, 16 anos

Escrito, Produzido e Dirigido por CAMILO CAVALCANTE

Elenco ANDRADE JÚNIOR, ANA IVANOVA, JUAN CARLOS ADUVIRI, FERNANDO TEIXEIRA, GEORGINA GENES, EDE COLINA, LUCRECIA CARRILLO, LAURA MARÍN, MAYCON DOUGLAS

Produção Executiva CAROL VERGULINO e NEUSA RODRIGUES

Direção de Produção AMANDA NASCIMENTO, KAREN FRANKEL

Direção de Fotografia CAMILO SOARES

Direção de Arte DIOGO BALBINO

Figurino LUJÁN RIQUELME, LIA GONZÁLEZ, PAULO RICARDO

Montagem CAIO ZATTI

Som Direto MOABE FILHO, PEDRO MOREIRA

Trilha Sonora Original SHAMAN HERRERA

Desenho de Som CATARINA APOLÔNIO

Mixagem GERA VIEIRA

Texto da Narração NATÁLIA BORGES POLESSO

Tradução para Guarani LILIAN SOSA

Distribuição ARTHOUSE

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fenômeno nas redes sociais, Maru Karv estreia como apresentadora no “Manda Nudes”

Lifetime Movies: A História de Chris Porco resgata caso de filho que matou o pai e desfigurou a mãe

SexPrivé apresenta ‘ménage à trois ao vivo’ em feira virtual de negócios do mercado adulto