Prêmio Sou do Esporte no BandSports: Confederação Brasileira de Tênis de Mesa é eleita como a melhor em Governança


Prêmio Sou do Esporte, transmitido ao vivo pelo BandSports na última sexta (17), emociona e acirra a disputa para a melhor governança das entidades olímpicas para 2022

Joaquim Cruz, Fabiana Bentes e Álvaro José (Fotos: Rodrigo Trevisan/Divulgação)  

Após um ano suspenso em razão da pandemia, o prêmio Sou do Esporte retornou com força total com transmissão ao vivo pela BandSports. O único prêmio do esporte brasileiro que envolve modalidades olímpicas, paralímpicas e não olímpicas, encerrou o ano do esporte nacional trazendo lágrimas dentro e fora do estúdio e fez valer a máxima que o esporte é, acima de tudo, um bem para a sociedade.


Na sexta edição do prêmio, ninguém passou desapercebido. Com Álvaro José estreando na categoria Jornalismo Esportivo/BandSports, o jornalista não se conteve com a surpresa e com a lembrança da sua narração por ocasião da vitória de Joaquim Cruz nos Jogos Olímpicos de 1994. Emocionado, Álvaro comentou: "Eu estou realmente encantado com esse prêmio e quero muito agradecer. A Sou do Esporte faz uma diferença muito grande no âmbito esportivo porque o esporte pode fazer a diferença no Brasil, em uma comunidade e no futuro da nossa nação. Muito obrigado!".


Já Joaquim Cruz ressaltou a importância de Álvaro na sua carreira e no jornalismo esportivo: "Em 1984, em Los Angeles, nós entramos para a história dos Jogos Olímpicos, eu com minhas pernas e o Álvaro com a voz radiante e emocionante dele. Até hoje, Álvaro, você é considerado a voz dos Jogos Olímpicos no Brasil, principalmente no atletismo. Álvaro, você merece! Muito obrigado. Parabéns e aquele abraço!", concluiu Joaquim Cruz.


O segundo prêmio da noite foi 'Amaro Domingues Sou do Esporte Solidário', batizado com este nome em homenagem ao incrível fundador da Vila Olímpica da Maré no Rio de Janeiro, que morreu este ano e teve sua vida dedicada a inclusão social e o esporte. O prêmio, entregue virtualmente pela filha de Amaro, Sonia Domingues, foi para o projeto AfroGames, um lindo trabalho dedicado a inclusão social e digital por meio dos esportes eletrônicos e que contou com a presença de seus diretores Ricardo Chantilly e William Reis:


"Primeiro, um orgulho imenso receber um prêmio desse. O AfroGames nada mais é que o combate às desigualdades que temos no nosso país. A gente vive em um país em que a cada 23 minutos um jovem negro morre e políticas têm que ser feitas para que isso não aconteça. O AfroGames é isso. A gente costuma dizer que estamos combatendo a desnutrição digital, oferecendo uma ferramenta para esses jovens que são esquecidos pela sociedade. A gente quer formar cada vez mais jovens pretos, de favela, para esse mercado que não para de crescer. Formamos 100 jovens este ano e ano que vem queremos ampliar para 170 jovens formados. Vamos levar esse mundo bilionário dos games para dentro da favela", ressaltou Reis, diretor do AfroGames.

Ricardo Chantilly e William Reis

Em seguida, as homenagens foram para os denominados "Atletas de Valor"; categorias 'não olímpico', 'paralímpico' e 'olímpico'; respectivamente. Na categoria não olímpica, o prêmio foi para a ultramaratonista Jacqueline Terto (In memoriam). Jacqueline foi uma grande ultramaratonista no Brasil, que tinha como causa principal as pessoas com deficiência em áreas vulneráveis, liderava o projeto de mesmo nome, atendendo pessoas com deficiência por meio da inclusão no esporte, na Vila Olímpica da Maré, no Complexo da Maré/RJ. Terto morreu em outubro deste ano, aos 52 anos, vítima de um infarto fulminante. Seu marido, Luiz Lacerda continua tocando o projeto e, muito emocionado, disse: "Gratidão. Em nome da professora Jacqueline Terto, do Instituto Jacqueline Terto e de toda obra que ela realizou aqui na Terra. Nós seguiremos trabalhando, executando o que ela deixou porque ela nos preparou para isso. Agradecemos à Fabiana [Bentes], à Band, à Sou do Esporte, e eu fico muito mais honrado em receber esse prêmio das mãos do Álvaro. O Senhor Olimpíadas entregando para a Senhora Dos Desertos. Gratidão".


Já Raíssa Machado, do Lançamento de Dardo, recordista das Américas e eleita na categoria paralímpica, falou abertamente sobre aceitação e de como o prêmio foi importante na vida dela: "Eu só tenho que agradecer. Muito obrigada mesmo. Esse prêmio aqui reflete muito a minha luta nesses cinco anos desde que fiquei em sexto nas Paralimpíadas do Rio, infelizmente. Mas, foi muito bom para o meu crescimento não só como atleta, mas como pessoa. Foi importante para a minha aceitação como pessoa com deficiência. Muito obrigada! Também quero agradecer ao Comitê Paralímpico Brasileiro, o CPB, por todo incentivo, por todo carinho, por cuidar tanto de mim e por me incentivar sempre a continuar no esporte". 


Na categoria olímpica, Darlan Romani, do Arremesso de Peso, o gigante, mais uma vez foi as lagrimas, não apenas pelo prêmio, mas também pela surpresa de sua filha Alice levar o relógio de seu pai que morreu: "É muito gratificante a gente ser reconhecido pelo nosso esforço e pelo nosso trabalho, e a gente quer levar isso para frente. Por isso, os nossos projetos e o incentivo às crianças, para que elas possam ter um espelho e possam se inspirar cada vez mais. Como nasceu o Darlan lá em Concórdia, no interior de Santa Catarina, quantos Darlans nós não temos perdidos pelo Brasil? Quantos medalhas e quantas conquistas nós podemos trazer? É uma honra e muito gratificante estar podendo receber esse prêmio".


O seguinte prêmio foi fofo, literalmente, com Bruninho Nascimento, de apenas 9 anos, recebendo o prêmio Atitude Positiva, por sua generosidade ao pedir a camisa do goleiro adversário e dar um exemplo que no esporte temos adversários, mas jamais inimigos. Bruninho se emocionou, mas não titubeou e mandou o recado: "Eu só tenho a agradecer todo mundo. Esse prêmio não é meu, é de vocês! De todo mundo que está me apoiando. Queria agradecer à minha mãe, à minha irmã e ao meu pai que me apoiam sempre. O esporte é amor. Sem palavras!"


O prêmio Gestor do Ano foi para o vice-presidente do Comitê Olímpico do Brasil, Marco La Porta, que atuou como Chefe de Missão dos Jogos Olímpicos e, além do prêmio, ganhou de surpresa um lindo vídeo do Time Brasil: "Obrigado a todos pelo prêmio. Obrigado ao Sérgio [Domenici], é uma honra receber o prêmio das suas mãos. Também é uma honra ser homenageado pela Sou do Esporte. Eu tenho uma história muito bacana com a Sou do Esporte, de quando comecei na Confederação de Triathlon, em 2017. A gente queria fazer algumas mudanças na governança e a Sou do Esporte me ajudou a dar um caminho a isso. Eu tive a oportunidade de conhecer a Fabiana [Bentes] e nós entendemos qual o caminho tínhamos que seguir. No ano seguinte, eu fui para o COB e, por uma feliz coincidência, a confederação (de Triathlon) seguiu os caminhos dela e hoje está aqui concorrendo ao prêmio (Governança) também. Esse prêmio aqui é de toda a equipe do COB. Foi um privilégio imenso ter chefiado essa missão."

Marco La Porta

No prêmio SDE Governança, o mais esperado da noite, a Confederação de Tênis de Mesa foi consagrada bicampeã; a CBVôlei voltou ao patamar das três melhores e ficou em segundo; CBVela conquistou o terceiro lugar; CBRúbgi subiu uma posição e empatada com CBTriathlon --estreante da TOP 5, assegurou a quarta posição--; e a CB Golfe, que estreou na TOP 5 em 2019, manteve sua presença entre as cinco melhores entidades em governança do país.


Os presidentes e representantes das entidades comentaram a premiação:

CBGolfe: "É um prazer estar aqui representando o nosso esporte. Óbvio que o fato de estarmos em uma posição de destaque deve-se muito ao programa de gestão e transparência do Comitê Olímpico Brasileiro. Sem ele, eu acredito que a maioria das entidades não estaria no patamar que estão hoje. É fantástico você trabalhar e poder dar um motivo ao patrocinador acreditar em nós. Eu fico muito feliz com o prêmio. Agradeço a todos os colaboradores internos da Confederação Brasileira de Golfe e a todos aqueles que nos ajudaram a chegar até aqui", disse Osmar Costa.


CBTriathlon: "É muita honra estar aqui representando todos os nossos colaboradores que sempre nos ajudaram. Obrigado, Fabiana [Bentes]. Obrigado, Sou do Esporte. Obrigado, Bandeirantes [emissora]. Esse prêmio aqui não é da presidência. É um prêmio de todos os colaboradores e de todos os triatletas do Brasil. Nós temos uma confederação nova, completamos 30 anos neste ano, e representamos um esporte novo também. Então, isso só traz mais responsabilidades para a gente e esperamos que ano que vem estejamos mais bem colocados! Triatlo é superação?", finalizou Ernesto Pitanga.


CBRu: "Muito obrigado pelo prêmio. Eu agradeço em nome da Confederação Brasileira de Rugby e de todos os envolvidos no Rugby no Brasil, que não é só a confederação, afinal. Nós temos cinco valores e dois deles são importantíssimos, que seriam disciplina e integridade. Isso, para nós, é justamente governança. A governança que a gente pratica é justamente para crescer o nosso esporte. Toda vez que a gente recebe esse prêmio, a gente fica contente e pensando em como podemos evoluir a cada ano. A única forma é tendo uma governança correta para que a gente atraia mais praticantes, mais jogadores, mais fãs e mais patrocinadores. Muito obrigado. Em especial, um agradecimento a todo o staff da CBRu e, principalmente, para a Mariana Miné, que é nossa CEO. É um grande prazer receber em nome do Rugby brasileiro", ressaltou Martin Jàco.


CBVela: "É com muito orgulho e com muito carinho que recebo esse prêmio, não meu, mas como dito pelos outros gestores, pelo nome da nossa confederação e pelo nome do nosso esporte. Agradeço ao Maurício [Barros] e à toda equipe da Band por todo o investimento que tem sido feito na divulgação e promoção do esporte, não só pelo país, mas em todo o mundo. Fabiana [Bentes], que tem feito um trabalho formidável não somente na gestão, mas também na transformação social que o esporte promove através da formação de cidadãos mais capacitados, mais focados, mais dedicados e mais disciplinados. Muito obrigado por tudo e parabéns à toda a equipe da vela nacional", comentou Jonatas Gonçalves.


CBVôlei: "Eu sempre digo que o sonho de todos nós que trabalhamos no esporte é que todas as confederações terminem empatadas em primeiro lugar. Estou muito feliz porque a cada ano o voleibol se mantém entre os finalistas e estamos chegando cada vez mais perto do primeiro colocado. Foi um ano muito bom para o voleibol. Gostaria de dedicar esse título a todos os funcionários em nome da Thamiris [Iack], que é a líder da nossa governança", disse Radamés Lattari.


CBTênis de mesa: "Primeiro, é uma honra receber esse prêmio ao lado de tão ilustres pessoas e, principalmente, ao lado do Radamés [CBV], que é uma lenda do esporte brasileiro. Queria agradecer e cumprimentar a Fabiana [Bentes] por esses seis anos de prêmio, nos quais estivemos em todos eles, pela persistência, pela ousadia, por acreditar que através da governança pode-se melhorar o esporte brasileiro e, com isso, conquistar mais títulos internacionais. Tenho certeza de que a Sou do Esporte fez com que várias confederações que, antes, não valorizavam esse fundamento, essa prática tão importante, passassem a valorizar. Isso faz com que os resultados venham. Gostaria de agradecer e dizer que esse prêmio vai nos motivar mais a seguir com esse trabalho", concluiu Alaor Azevedo.


O ponto alto da noite foi para o maior medalhista de todos os tempos do esporte brasileiro, Daniel Dias, que recebeu a homenagem especial da Sou do Esporte por toda a sua representatividade no esporte. "O esporte transformou minha vida. Vendo tudo que aconteceu aqui esta noite, a gente vê do que a ferramenta esporte é capaz. O esporte transcende tudo. Eu estou muito feliz por estar aqui e receber um prêmio tão importante. Poder encerrar a carreira e receber um prêmio como esse me alegra muito. O Instituto Daniel Dias foi criado para que mais pessoas possam estar praticando esporte, assim como eu tive a oportunidade lá atrás. Uma deficiência não nos define. O que define cada um de nós vai muito além disso e o esporte tem a capacidade de mostrar que todos nós podemos ser campeões na vida."


A presidente da Sou do Esporte Fabiana Bentes, que apresentou o prêmio juntamente com o colega jornalista Mauricio Barros ficou feliz com esta edição. Denis Gavazzi, diretor de esportes da Band, diz que é muito bom estar envolvido com a Sou do Esporte: "Quero a agradecer ao Maurício [Barros], à toda a equipe da BandSports, que recebeu a Sou do Esporte de braços abertos. A gente está na sexta edição cumprindo a nossa missão de transformar o Brasil em nação esportiva e vamos juntos para 2022 e para o sétimo Prêmio Sou de Esporte", declarou Fabiana.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NICKELODEON ESTREIA SPYDERS

Formula E

GloboNews promove Festival #ConverseComOutrasIdeias