Carol Barcellos compartilha bastidores inéditos de reportagens em nova edição do livro Quebrando os limites


Lançada pela Editora Planeta, obra traz detalhes da cobertura dos Jogos Olímpicos de Tóquio, da Copa do Mundo de Futebol Feminino e de seu projeto com mulheres envolvendo corrida no Complexo da Maré
 

A Editora Planeta lança nova edição de Quebrando os limites, livro no qual Carol Barcellos compartilha diversas passagens de sua vida e carreira para mostrar como aprendeu a superar o medo e a ultrapassar os limites -- afinal ela já viveu experiências como fazer uma ultramaratona no deserto do Atacama, subir em árvores de 100 metros de altura e entrar em cavernas profundas no interior da China. Publicada originalmente em 2016, a obra apresenta nesta edição, que chega às lojas no final de fevereiro, novas histórias de bastidores de reportagens e coberturas, como dos Jogos Olímpicos de Tóquio e da Copa do Mundo de Futebol Feminino, bem como detalhes do projeto Destemidas envolvendo corrida no Complexo da Maré.
 

Desde o lançamento da primeira edição do livro, além de ter vivido diversas outras experiências como repórter, ela também enfrentou uma separação e encontrou um novo amor. Na obra, ela compartilha com os leitores detalhes de sua vida pessoal -- e defende que é um engano pensar que vida pessoal e a profissional andam sem se cruzar. Em uma das passagens, ela relata as dificuldades de cobrir as Olimpíadas de Inverno da Coréia do Sul em 2018 além de encarar uma temperatura de -30º. O período em que esteve lá coincidiu com o aniversário de sua filha. Ela conta que se lembra de, entre várias reportagens, ter entrado ao vivo no programa Mais Você da TV Globo e da Ana Maria Braga e do Louro José darem parabéns à Julia. "Ela ficou tão feliz… mas seguiu triste comigo. À noite, lá estava eu chorando novamente no chuveiro. Tenho uma vida muito mais interessante e rica de experiências do que eu poderia imaginar. Mas, com o tempo, a gente vê que a felicidade está no cotidiano, ao nosso alcance, sem avião. O sorriso da Ju é a viagem mais linda que já fiz", ela conta.
 

Em um dos capítulos finais, Carol escreve sobre o Destemidas, projeto criado em parceria com a ONG Luta pela Paz, que atua no Complexo da Maré. O projeto reúne mulheres para correr. "É o esporte como pretexto para trabalhar autonomia e confiança, para que elas olhem para o lado e vejam que não estão sós. Para que uma inspire a outra", ela relata. Ela conta que a ideia surgiu depois de uma reportagem na Maratona de Boston. Era a comemoração de 50 anos da primeira mulher a correr aquela maratona: a americana Kathrine Switzer, hoje na casa dos 70 anos de idade e ainda corredora. Naquele ano de 2017, ela correu os 42 km para comemorar seu feito histórico. No dia seguinte, quando foi entrevistá-la, ela ficou sabendo que Carol também corria. Ao final da conversa, ela segurou sua mão e disse que deveria devolver ao esporte tudo o que o esporte havia dado a ela. As Destemidas nasceram ali. Hoje, o grupo já tem 45 mulheres. "Cada uma tem sua história. Alguns passados e presentes fazem o peito doer. Lembro-me de olhos que brilharam por terem visto o mar pela primeira vez, mesmo morando no Rio de Janeiro."
 

Carol relata também no livro que nunca ter participado da cobertura de uma Copa do Mundo era uma frustação, chegava até a questionar se era por falta de competência sua, até que foi escalada para acompanhar a seleção brasileira feminina de futebol. "Meses antes do evento, fiz uma série de reportagens. Na primeira, contávamos como é preciso ter coragem para ser mulher e jogar futebol. Até hoje é assim. As falas das jogadoras são chocantes. Marta: 'Já vivi situações de homens dizendo: Vamos tirar a roupa dela para ver se é mulher mesmo'. Cristiane já ouviu: 'A sapatão até sabe jogar bola'. Elas foram ofendidas, xingadas e até agredidas só porque queriam jogar bola. Contar a história do futebol feminino é contar uma história de resistência, de mulheres desbravadoras que desconstruíram um padrão e buscaram o que a maioria repelia.". Carol conta como foi acompanhar de perto o primeiro jogo das mulheres numa Copa do Mundo a ser transmitido ao vivo pela televisão aberta.
 

"Não se trata de escolher as melhores palavras. É um livro feito com o coração --característica encantadora da Carol. Desbravar estas páginas é conhecer a trajetória de uma filha compreensiva, jovem batalhadora, mulher guerreira, mãe amorosa, atleta esforçada e profissional talentosa. (...) Sem a pretensão de ensinar ou guiar, Quebrando os limites mostra a capacidade de transformar experiências - boas ou ruins -- em um combustível turbinado para superar os desafios que a vida nos impõe. "
- MARCELO OUTEIRAL, jornalista e roteirista na TV Globo
 

Sobre a autora:

Ana Carolina Barcellos nasceu no Rio de Janeiro e cursou Jornalismo na Universidade Federal Fluminense. Hoje, faz pós-graduação em Direitos Humanos, Responsabilidade Social e Cidadania Global na PUC-RS. Jornalista da TV Globo desde 2008, cobriu Olimpíadas de Inverno, Copa do Mundo e, em 2021, os Jogos Olímpicos de Tóquio. Ao lado de Clayton Conservani, ela viajou para os locais mais extremos do planeta em busca de grandes histórias. Em 2018, fundou o projeto social Destemidas. Carol é a mãe da Julia.
 

Ficha técnica:

Título: Quebrando os limites - Como superar desafios na vida

Autora: Carol Barcellos

176 páginas

R$49,90

Editora Planeta

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NICKELODEON ESTREIA SPYDERS

Formula E

Festival #ConverseComOutrasIdeias debate sustentabilidade na semana do Dia Mundial do Meio Ambiente